Áreas com baixa cobertura de saneamento têm maior incidência de covid-19

Estudos mostram que a falta de acesso à água e de coleta e tratamento de esgoto pode ser um fator importante para a propagação do coronavírus no Brasil

A precariedade do saneamento básico no Brasil, que chega a ser pior do que em países como o Iraque e o Azerbaijão, não é novidade. Agora os pesquisadores tentam entender a relação entre a falta de acesso a água tratada e esgoto coletado e a transmissão da covid-19. Em maio, a Universidade Federal de Pelotas (UFP) realizou uma pesquisa nos maiores municípios de cada região do país ­— ao todo, foram 133 cidades — para identificar quais apresentavam maior incidência de casos per capita de coronavírus.

No topo da lista aparecem cidades em áreas remotas, como Breves e Castanhal, no Pará, e Tefé, no Amazonas. Em Breves, com 100.000 habitantes, um em cada quatro moradores está contaminado. Em Tefé, onde a densidade demográfica é de apenas 2,5 pessoas­ por quilômetro quadrado, uma das mais baixas do país, 20% da população já teve contato com o vírus. Em capitais como Rio de Janeiro e São Paulo, esse índice mal chega a 3% da população.

Nos municípios que ocupam o topo do ranking de casos per capita de covid-19, o abastecimento de água é precário. “Mesmo onde há o serviço, ele costuma falhar e, não raro, é interrompido ao longo do dia”, diz Carlos Édison, presidente do Instituto Trata Brasil. Para quem vive nesses locais, higienizar as mãos com frequência, como recomendam os médicos, é uma tarefa quase impossível.

“Não é coincidência que as principais cidades do ranking sejam justamente as que mais têm déficit no saneamento”, diz o epidemiologista Pedro Curi Hallal, reitor da UFP e coordenador do estudo sobre a incidência de covid-19. “A falta de água pode não ser o único fator que explique o alto índice de coronavírus nesses municípios, mas certamente é um deles.”

Para piorar, para quem não consome água tratada os problemas de saúde não tardam a aparecer. “Essas pessoas­ acabam ingerindo microrganismos que causam uma série de doenças”, diz o bioquímico Sinval Brandão, pesquisador da Fiocruz e presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. “Elas têm uma saúde mais debilitada, o que é um prato cheio para a covid-19.”

A cada ano, segundo o Trata Brasil, 230.000 pessoas são internadas com doenças causadas pela ingestão de água sem tratamento e pelo contato com esgoto a céu aberto, como hepatite, leptospirose, esquistossomose, diarreias intensas e outras infecções. Em todo o país, 35 milhões de pessoas não têm acesso a água tratada e metade não conta com coleta de esgoto. Mais uma vez, o Brasil está pagando a conta por décadas de negligência.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Deseja assinar e ter acesso ilimitado?

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.