Acompanhe:
seloRevista Exame

Dez anos para um ensino de qualidade no Brasil, diz Renato Feder

Feder declinou convite do governo Bolsonaro para assumir o Ministério da Educação, mas acredita que gestão técnica possa alavancar o ensino brasileiro

Modo escuro

Continua após a publicidade
Renato Feder: ex-executivo da Multilaser hoje se dedica à educação pública (EXAME/Exame)

Renato Feder: ex-executivo da Multilaser hoje se dedica à educação pública (EXAME/Exame)

L
Lucas Agrela

Publicado em 30 de julho de 2020 às, 05h52.

Última atualização em 3 de agosto de 2020 às, 06h15.

Renato Feder, secretário estadual de Esporte e Educação do Paraná, ganhou projeção nacional ao ser indicado para o cargo de ministro da Educação no governo Bolsonaro, em julho. Com carreira mista de professor e empresário, Feder prometia gestão técnica no MEC e acredita que o país poderá ter ensino de qualidade em cerca de dez anos.

Como surgiu o convite para assumir o Ministério da Educação?

O convite surgiu devido ao bom trabalho no Paraná. O estado tem feito aulas remotas de excelente qualidade. Só 1% dos alunos da nossa rede está fora das aulas remotas. Conseguimos isso transmitindo aulas em quatro canais de TV, que são pagos pelo estado. Assim, não há o gargalo de tecnologia para ter acesso às aulas. Também temos um aplicativo de sala de aula virtual e publicamos aulas no YouTube. Fora isso, recebemos mais de 10.000 matrículas entre maio e julho de alunos que trocaram o ensino privado pelo público em razão da qualidade.

Você é conhecido como um dos sócios da Multilaser. O que o levou para a política?

Meu primeiro emprego foi como professor de matemática. Já dei aulas na Universidade Mackenzie e fui diretor de escola por oito anos. Sempre amei a educação. Depois de 17 anos na Multilaser, fundei duas startups de educação, mas ambas quebraram. Depois decidi ir para a educação pública. Hoje, sou acionista minoritário na Multilaser e não me envolvo nos negócios da empresa.

Por que declinou o convite para assumir o ministério?

A proposta era levar ao MEC a gestão técnica e pedagógica que adoto no Paraná. Acho que não era o momento certo. Foi nessa hora que declinei o convite.

Em sua visão, a educação tem ideologia?

Esse questionamento tira a atenção da educação de qualidade. Se o aluno aprende as disciplinas, isso é importante. A história pode ter alguma ideologia. Mas isso não pode ser o foco da discussão.


Quanto tempo seria necessário para elevar a qualidade da educação no Brasil?

Com políticas firmes e gestão técnica, levaríamos de oito a dez anos para chegar às primeiras posições no Programa Internacional de Avaliação de Alunos. Infelizmente, estamos entre as últimas colocações desde o começo dos anos 2000.

Últimas Notícias

Ver mais
Ministro da Educação quer acordo para que Senado não altere projeto do Novo Ensino Médio
Brasil

Ministro da Educação quer acordo para que Senado não altere projeto do Novo Ensino Médio

Há uma semana

Entrevista de emprego: Como se sair bem na hora do teste do inglês?
seloCarreira

Entrevista de emprego: Como se sair bem na hora do teste do inglês?

Há uma semana

Governo poupa Saúde e Educação em bloqueio de R$ 2,9 bilhões no Orçamento
Brasil

Governo poupa Saúde e Educação em bloqueio de R$ 2,9 bilhões no Orçamento

Há uma semana

Reforma do Novo Ensino Médio: MEC vai tentar aprovar no Senado mudanças rejeitadas pela Câmara
Brasil

Reforma do Novo Ensino Médio: MEC vai tentar aprovar no Senado mudanças rejeitadas pela Câmara

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais