Além da Sinovac, outra vacina chinesa de covid-19 será testada no Paraná

Vacina contra o coronavírus será a quarta cujos testes incluem o Brasil. Estão em testagem a também chinesa Sinovac e Oxford/AstraZeneca e Pfizer/BioNTech

Após a vacina desenvolvida pela biofarmacêutica Sinovac, uma nova vacina contra o coronavírus vinda da China começará a ser testada no Brasil. É a vacina da chinesa Sinopharm, que fez parceria com o estado do Paraná divulgada nesta quarta-feira, 29.

Os testes serão feitos pelo Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) e os primeiros vacinados devem ser os profissionais da saúde, como já vem ocorrendo com outros testes no Brasil.

O pedido de autorização para testar a vacina em brasileiros deve ser enviado em 15 dias à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que autoriza os procedimentos, segundo informou o governo do Paraná.

Já há outras três vacinas com parcerias para testes no Brasil. As mais avançadas são a da Universidade de Oxford em parceria com a AstraZeneca, testada no Brasil junto à FioCruz, e a da também chinesa Sinovac Biotech, testada em parceria com o Instituto Butantan. Ambas estão na fase 3 de testes, quando já há testagem massiva em humanos.

A terceira com testes no Brasil é a vacina da parceria entre a amerciana Pfizer e startup alemã BioNTech, que está na fase 2, quando os testes são mais restritos.

A nova vacina da Sinopharm também está na fase 3 de testes, etapa na qual o Paraná será incluído. A testagem foi iniciada nos Emirados Árabes Unidos e inclui mais de 15.000 voluntários, segundo informado pelo governo do Paraná. As duas primeiras fases já foram encerradas, com resultados positivos.

A projeção é que a vacina possa estar pronta até o fim deste ano, segundo os responsáveis. O plano do Paraná é, concluída a testagem, também iniciar um processo de produção da vacina no estado por meio da Tecpar.

O Brasil é um dos principais focos na testagem de vacinas potenciais contra o coronavírus porque é o segundo país do mundo com maior número de contágios. Como há maior circulação do vírus, a avaliação sobre se a testagem produziu de fato algum tipo de imunização se torna mais precisa e efetiva.

O país chegou nesta quarta-feira, 29, a mais de 90.000 mortes pela covid-19, doença causada pelo vírus. São mais de 2,55 milhões de casos no país, com mais de 20.000 novos casos registrados diariamente.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.