• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Ativos alternativos ganham preferência com maior acessibilidade

Fundos alternativos ganham a preferência de investidores: de startups a criptoativos e obras de arte, o número de ativos só cresce
O mercado de criptoativos já vale 1,7 trilhão de dólares no mundo e, no Brasil, ETFs de criptomoedas acumulam mais de 2 bilhões de reais em patrimônio em menos de um ano (Getty Images/Travis Wolfe/EyeEm/)
O mercado de criptoativos já vale 1,7 trilhão de dólares no mundo e, no Brasil, ETFs de criptomoedas acumulam mais de 2 bilhões de reais em patrimônio em menos de um ano (Getty Images/Travis Wolfe/EyeEm/)
Por Guilherme GuilhermePublicado em 23/03/2022 15:00 | Última atualização em 23/03/2022 11:30Tempo de Leitura: 4 min de leitura

O investimento do brasileiro em fundos tem se sofisticado nos últimos anos na esteira do avanço da tecnologia e da queda estrutural dos juros, ainda que as taxas tenham voltado a subir nos últimos meses. Novas categorias ganham a preferência dos investidores, em opções que vão muito além dos tradicionais fundos de ações e renda fixa. Nenhum ativo cresce tanto na carteira de grandes investidores quanto os chamados alternativos. E eles estão cada vez mais acessíveis ao investidor de varejo. Participação em companhias de capital fechado, dívidas judiciais, crédito privado, imóveis e até criptomoe­das podem entrar nessa classificação. “Ativos alternativos são qualquer um que exija esforço extra para encontrar, administrar, comprar ou vender”, diz Guilherme Ferreira, sócio da Jive Investments, com 8 bilhões de reais sob gestão. A Jive abriu neste ano seu primeiro fundo para investidores qualificados, captando 300 milhões de reais em 15 dias. 

Mudanças regulatórias têm permitido que o número de investidores aumente, como a permissão para que qualquer pessoa invista diretamente em ativos alternativos, de ativos judiciais e royalties de músicas a obras de arte, mediante a oferta por plataforma registrada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Em 2021, eram 35 plataformas credenciadas para selecionar e oferecer os investimentos por meio de crowdfunding. Juntas, realizaram 116 rodadas de investimentos em 2021 e captaram 204 milhões de reais, segundo a Efund. 

Investidores que querem retornos descorrelacionados da economia têm procurado alternativas também no mercado tradicional. Fundos quantitativos, que utilizam a tecnologia para explorar as ineficiências de mercado, têm crescido nesse cenário. Essa busca levou à captação líquida de 4,4 bilhões de reais em fundos quantitativos em 2021, acima dos 4,2 bilhões de reais em fundos de ações. “Há programas que leem balanços e interpretam notícias. O machine learning avançado permite fazer coisas que eram impossíveis sem o avanço da tecnologia, como ler um arsenal estatístico poderoso e avaliar e negociar vários ativos ao mesmo tempo”, diz Moacir Fernandes, head de estratégias quantitativas da Clave Capital. 

Mas a tecnologia não está presente somente na forma de fazer a gestão, mas no próprio ativo. Criptomoedas entraram de vez para o portfólio dos brasileiros em 2021, com o lançamento dos primeiros ETFs focados nesse mercado na B3. O HASH11, que busca capturar o crescimento de toda a indústria, já é o segundo ETF mais popular da bolsa, com 144.500 investidores. Outros cinco ETFs de criptos foram lançados de lá para cá na B3. A depender do mercado e da demanda, o número de alternativas não vai parar de aumentar tão cedo.


5 FUNDOS COM ESTRATÉGIAS ALTERNATIVAS ACESSÍVEIS AO INVESTIDOR

Entenda como funcionam os fundos que estão ganhando a preferência no mercado

1. Private equity 

(Drew Angerer/Getty Images)

Empresas de capital fechado há tempos são alvo de grandes investidores. O que tem mudado é o acesso. Antes restritos a fundos de private equity ou venture e seed capital, o investimento está acessível ao investidor de varejo por meiode gestoras especializadas ou de ofertas de crowdfunding.

 

2. Obras de arte  

(Emmanuel Dunand/Getty Images)

Obras de grandes artistas, como quadros e esculturas, se tornaram acessíveis ao investidor de varejo por meio de plataformas de crowdfunding. Custos de transporte, avaliação etc. ficam a cargo da plataforma. O ganho eventual com a operação ocorre apenas com a venda da obra

 

3. Criptomoedas  

O mercado de criptoativos já vale 1,7 trilhão de dólares no mundo e, no Brasil, ETFs de criptomoedas acumulam mais de 2 bilhões de reais em patrimônio em menos de um ano. Fundos de gestão ativa, que buscam retornos acima da média, chegaram a ter performance acima de 100% no último ano

 

4. Quants  

(Zokara/Getty Images)

Fundos quantitativos utilizam modelos matemáticos para encontrar oportunidades, com métodos de análise distintos dos de fundos tradicionais. Com a tecnologia como aliada, fundos quants costumam ter maior número de ativos em seu portfólio e podem operar em diversos mercados ao mesmo tempo

 

5. Música 

(Gijsbert Hanekroot/Getty Images)

São investimentos que se diferenciam pela previsibilidade em razão da compra de direitos sobre royalties, que consideram o histórico de pagamento de determinada canção ou artista, como David Bowie (acima). Ganhos de popularidade, como o uso da música em filmes, podem gerar retorno acima do esperado