Revista Exame

Para Vale, a qualidade dá mais retorno

A demanda por minério com alto teor de ferro impulsiona os negócios da VALE, dona do maior lucro no ano: 5,3 bilhões de dólares

DR

Da Redação

Publicado em 16 de agosto de 2018 às 11h13.

Última atualização em 17 de agosto de 2018 às 19h45.

Em seu primeiro ano no comando da empresa que teve o maior lucro líquido entre as 500 maiores do país em 2017, excluindo as instituições financeiras, Fabio Schvartsman diz com humildade: “O resultado se deve à qualidade dos ativos e à operação integrada. A Vale vai da mina no Brasil ao porto na China. Lavra do doutor Eliezer. Isso foi legado de um visionário”. Schvartsman se refere a Eliezer Batista, morto em junho deste ano, que foi o presidente da Companhia Vale do Rio Doce nos anos 60 e de 1979 a 1986. A Vale cresceu 33% no ano passado e faturou 19,7 bilhões de dólares, com um lucro de quase 5,3 bilhões de dólares — mais que o dobro do valor obtido pela segunda empresa com maior ganho, a cervejaria Ambev.

Fabio Schvartsman, presidente da Vale: a receita da mineradora cresceu 33% em 2017 | Germano Lüders

O desempenho foi impulsionado pelas cotações do minério de ferro, que subiram em 2017 com o aumento da demanda global de aço. Mas o que fez a diferença para a Vale foi a qualidade do minério que extrai de sua mina na Serra Sul de Carajás, no Pará. A mina no complexo S11D, batizado de “Eliezer Batista”, em homenagem ao ex-presidente da empresa, começou a operar em dezembro de 2016. É o maior empreendimento da Vale em seus 70 anos e tem capacidade para produzir 90 milhões de toneladas por ano. Lá, o teor de ferro do minério é de quase 67% — as reservas das mineradoras da Austrália, principais concorrentes da Vale, não costumam apresentar teor acima de 62%. E a lógica do mercado tem mostrado que as fabricantes de aço estão dispostas a pagar um prêmio superior a 30% por minério de alta qualidade.

A tendência é puxada por restrições à emissão de poluentes na China. Isso estimula a demanda por minério mais limpo e também os esforços das siderúrgicas para aumentar a eficiência na produção de aço. “Em 2017, ficou claro para o mundo que qualidade faz diferença”, afirma Schvartsman. “O que alavancou o resultado da Vale foi o fato de o mercado pagar pela qualidade.”

Outra variável que costuma afetar os resultados é o câmbio, que tem sido um problema para companhias endividadas. No caso da Vale, que obtém quase 90% da receita com vendas para fora do país e reduziu a dívida ao equivalente à metade da geração de caixa, o efeito cambial tem sido menor. Com isso, a empresa prevê que 2018 fechará como mais um ano excepcional, devendo crescer cerca de 10% em dólar. Seu diagnóstico do mercado indica que grandes produtores de minério de ferro em outros países enfrentam a exaustão das minas, situação que reduz a qualidade do que têm para vender. É mais um trunfo para a Vale, que está investindo para aproveitar as oportunidades. A empresa retomou as atividades de três usinas de pelotização que estavam paradas, uma no Maranhão e duas em Tubarão, no Espírito Santo, para atender ao crescimento da demanda por produtos de alta qualidade.

A mineradora pretende destinar 4 bilhões de dólares neste ano para manter as operações no Brasil e no mundo e para concluir a duplicação da Estrada de Ferro Carajás, ferrovia que leva o minério de S11D até o terminal marítimo de Ponta da Madeira, no Maranhão. De olho também na nova onda de metais destinados às baterias de carros elétricos, a Vale está investindo 2 bilhões de dólares na produção de níquel, cobalto e cobre no Canadá. O níquel, que sempre foi pouco valorizado, é negociado atualmente no mercado internacional por 15 000 dólares a tonelada — a Vale é uma das maiores produtoras desse metal no mundo. “Ainda não sabemos quando vai se tornar significativa, mas a revolução do carro elétrico é uma certeza”, afirma Schvartsman.

Acompanhe tudo sobre:Melhores e MaioresMineraçãoMineradorasMinério de ferroVale

Mais de Revista Exame

Cocriação: a conexão entre o humano e a IA

Passado o boom do ChatGPT, o que esperar agora da IA?

O carro pode se tornar o seu mais novo meio de entretenimento

Assistentes de IA personalizáveis ajudam a melhorar a experiência do cliente

Mais na Exame