Revista Exame

Como a tecnologia ajudou esta academia a superar os piores momentos da pandemia

A academia Red Fitness perdeu muitos alunos na pandemia. A análise de quem ficou ajuda o negócio a crescer agora

Ellen Fernandes, fundadora da Red Fitness (Mark Moraes/Divulgação)

Ellen Fernandes, fundadora da Red Fitness (Mark Moraes/Divulgação)

Maria Clara Dias
Maria Clara Dias

Repórter de Negócios e PME

Publicado em 22 de março de 2023 às 06h00.

O uso de tecnologia deu um gás extra para a rede de academias Red Fitness, de São Paulo. A pandemia afugentou clientes. Na fase mais aguda do isolamento social, só 30% dos 4.500 alunos pré-pandemia aceitaram renovar as mensalidades apesar das condições camaradas oferecidas por ali.

Sem poder mudar o abre e fecha imposto pelas autoridades na crise sanitária, os donos da Red Fitness apostaram na automação do contato com clientes para reduzir a fricção no atendimento. Um software de gestão implantado em 2019, antes da crise, já havia resolvido o problema de acesso — só quem está com a mensalidade em dia passa a catraca.

O que a Red Fitness fez na pandemia

A pandemia serviu para a Red Fitness transformar o sistema num big data dos clientes. Hoje, o software de gestão mostra indicadores como frequência dos alunos, ausência e inadimplência.

Os pagamentos também passaram a ficar registrados num sistema na nuvem, poupando a ida do aluno até a academia só para assinar a papelada. “A onda agora são os pagamentos por recorrência, como faz a Netflix, e temos essa inteligência”, diz Ellen Fernandes, que fundou o negócio em 2016 com o marido, Ronaldo Cardoso.

(Arte/Exame)

Os dados hoje permitem um atendimento personalizado. “Vamos desde as mensagens personalizadas de feliz aniversário até a identificação daqueles alunos com maior potencial de desistência, a tempo de reverter os cancelamentos”, diz.

Quais foram os resultados

Os resultados já vieram.

  • A taxa de renovação de planos, um dos principais indicadores cuja mensuração determina a disposição dos alunos de continuar frequentando a academia, saltou de 31,2%, em 2021, para 42%, em 2023.
  • Já a frequência nas unidades cresceu 18% em 2023 na comparação com 2022.

Um novo módulo, cuja função é permitir aos alunos que acompanhem, por totens, vídeos curtos com orientações sobre cada exercício durante os treinos, também diminuiu a necessidade de professores nas unidades.

Com um plano agressivo de expansão por franquias que prevê a abertura de pelo menos 60 academias nos próximos três anos, a Red Fitness busca faturar 7,2 milhões de reais em 2023.

Acompanhe tudo sobre:Revista EXAME

Mais de Revista Exame

Cocriação: a conexão entre o humano e a IA

Passado o boom do ChatGPT, o que esperar agora da IA?

O carro pode se tornar o seu mais novo meio de entretenimento

Assistentes de IA personalizáveis ajudam a melhorar a experiência do cliente

Mais na Exame