• AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
  • AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
Abra sua conta no BTG

Google altera política de anúncios para empresas do setor de criptoativos

Primeira alteração das regras para divulgação de anúncios de empresas ligadas ao setor de criptomoedas desde 2018 começa a valer a partir de agosto
 (Getty Images/Getty Images)
(Getty Images/Getty Images)
Por Gabriel RubinsteinnPublicado em 02/06/2021 14:42 | Última atualização em 02/06/2021 14:42Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O Google divulgou comunicado nesta quarta-feira, 2, informando que vai atualizar suas políticas de anúncios para empresas de produtos e serviços financeiros. Entre os ajustes, estão novas regras para companhias ligadas ao mercado de criptoativos.

A mudança, que começa a valer no dia 3 de agosto, permitirá que corretoras e carteiras de criptomoedas façam propaganda dos seus produtos e serviços na ferramenta de pesquisa desde que "cumpram os requisitos e sejam certificadas pelo Google".

Para conseguir a autorização da gigante de tecnologia, as empresas precisam "ser (a) devidamente registradas na FinCEN [Rede de Combate a Crimes Financeiros dos EUA] como uma empresa de serviços financeiros e ter pelo menos um estado como transmissor financeiro; ou (b) uma entidade financeira federal ou estadual; estar em conformidade com os requisitos legais relevantes, incluindo quaisquer requisitos legais locais, seja em nível estadual ou federal; e certificar que seus anúncios e páginas de destino estejam em conformidade com todas as políticas do Google Ads".

O novo processo de certificação substituirá o atual, criado em 2018, inicialmente para empresas cujos anúncios tenha como alvo consumidores dos EUA. Segundo o Google, não serão permitidos anúncios de "ofertas iniciais de criptomoedas [ICOs, na sigla em inglês], protocolos de DeFi [finanças descentralizadas], ou qualquer outra forma de promoção de compra, venda ou negociação de criptomoedas ou produtos relacionados" - entre os exemplos estão IDOs, pools de liquidez, endosso de celebridades a criptomoedas, carteiras sem hospedagem e dApps [aplicativos descentralizados] não regulados.

"Como um lembrete, esperamos que todos os anunciantes cumpram as legislações locais em qualquer área que seus anúncios segmentam. Esta política será aplicada globalmente a todas as contas que anunciam esses produtos financeiros", conclui o comunicado do Google.

Empresas ligadas ao mercado de criptoativos ainda sofrem com restrições das "big techs" à publicidade de seus produtos e serviços. Além do Google, o Facebook, também em 2018, impôs uma série de regras que, na prática, inviabilizam esse tipo de ação promocional.

Veja Também

Bitcoin esboça reação, mas ainda se mantém abaixo de US$ 30 mil
Future of Money
Há 15 horas • 3 min de leitura

Bitcoin esboça reação, mas ainda se mantém abaixo de US$ 30 mil

A16z quer aproveitar queda do mercado cripto e lança fundo de US$ 4,5 bi
Future of Money
Há 16 horas • 3 min de leitura

A16z quer aproveitar queda do mercado cripto e lança fundo de US$ 4,5 bi

9 grandes empresas brasileiras que decidiram apostar nas criptomoedas
Future of Money
Há 16 horas • 6 min de leitura

9 grandes empresas brasileiras que decidiram apostar nas criptomoedas