Mais digitais, pequenas empresas faturam 151% mais na Black Friday 2020

O volume de vendas neste ano foi 193% maior que no ano passado, quando 98,625 pedidos foram feitos. Os dados são da startup de e-commerce Nuvemshop

A loja de cosméticos naturais Relax decidiu inovar na Black Friday de 2020. Em vez de diluir as promoções ao longo de novembro, a empresa optou por concentrar as ofertas de quarta a domingo. Para atrair os clientes, deu brindes, frete por um centavo para todo o Brasil e lançou produtos novos perto da data. O resultado: aumento de 950% no faturamento na comparação com um final de semana comum. Só na Black Friday, foram faturados quase 500.000 reais, 86% da receita de novembro.

“Anunciando as ofertas quinze dias antes e começando as promoções antes da sexta-feira, conseguimos atingir nossos clientes e competir com os players grandes no marketing digital”, diz Thiago Santos, presidente e fundador da companhia, criada em 2016 como e-commerce e que hoje já soma 11 quiosques em shoppings pelo Brasil.

O caso da Relax reflete o resultado da Black Friday para as pequenas empresas brasileiras. Dados da startup Nuvemshop, de e-commerce, mostram que as PMEs faturaram de 24 a 30 de novembro cerca de 60 milhões de reais, 47% a mais que na semana anterior, e 151% mais que na semana da Black Friday de 2019. O volume de pedidos também subiu, houve uma alta de 193%.

“As marcas que focaram no seu nicho de clientes, oferecendo promoções exclusivas, com alvo claro, tiveram bons resultados”, diz Alejandro Vázquez, diretor comercial da Nuvemshop. Diferentemente dos marketplaces, em que prevalecem a venda de eletroeletrônicos, nas pequenas lojas online as categorias mais vendidas foram moda e vestuário; beleza e saúde; artesanato e arte; e casa e jardim.

Mas a pandemia teve consequências. O tíquete médio das compras diminuiu 14% em 2020, de 242 para 207 reais. Vásquez acredita que a queda seja reflexo de promoções mais agressivas em algumas categorias de produto que já tem tíquete menor de venda. “Acreditávamos que a falta de estoque seria um problema neste ano, mas vimos que os empreendedores se adaptaram ao cenário e fizeram mais promoções de produtos que tinham em estoque”, diz o diretor.

A Nuvemshop percebeu também nesta Black Friday uma integração maior das compras do mundo físico e online, com os comerciantes oferecendo descontos para clientes do e-commerce que fossem retirar o produto em loja e organizando campanhas para incentivar o cliente do mundo presencial a comprar no online. “O e-commerce se tornou um canal importante para o varejista, estão olhando com mais atenção”, diz Vásquez.

Para o comércio eletrônico como um todo, a Black Friday foi um sucesso. As vendas pela internet movimentaram 4 bilhões de reais nos dias 26 e 27 de novembro, um aumento de 25% em relação a 2019, segundo a consultoria Ebit/Nielsen.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.