PME

Jovens criam “bolsa de valores” de startups

Irmãos desenvolvem plataforma que vai identificar e financiar projetos inovadores através do conhecimento coletivo

Os irmão Felipe e Fernando Dulinski, criadores da Makaha (Divulgação)

Os irmão Felipe e Fernando Dulinski, criadores da Makaha (Divulgação)

DR

Da Redação

Publicado em 5 de abril de 2011 às 06h24.

São Paulo – Uma dupla de jovens empreendedores de Porto Alegre inaugura oficialmente nesta semana um novo sistema de financiamento para startups.

Batizada de Makaha, a plataforma funciona como uma “bolsa de valores”, por meio da qual os internautas investem dinheiro virtual nos projetos que consideram mais promissores.

As ideias mais bem avaliados sobem de “cotação” e ficam em evidência, tornando-se candidatas a receber investimentos. Entre os projetos cadastrados estão iniciativas das áreas de tecnologia, cultura, entretenimento e moda.

Os recursos para financiar as startups selecionadas vêm da própria Makaha, que pretende viabilizar até quatro investimentos neste ano. Em troca do apoio financeiro e da consultoria em gestão e estratégia, os donos dos projetos selecionados cederão 10% de participação no negócio.

“A ideia é descobrir tendências através do conhecimento coletivo e investir nelas”, explica Felipe Dulinski, de 22 anos, que criou a empresa em parceria com o irmão Fernando Dulinski, de 21 anos.

Em teste desde o ano passado, a ferramenta já recebeu 80 mil reais de um investidor anjo. O plano é captar mais recursos de fundos de capital de risco. “Quanto mais recursos tivermos à disposição, mais ideias poderemos apoiar”, destaca Dulinski.

Além da participação nos negócios investidos, a dupla pretende lucrar com a venda de créditos para que os internautas possam “investir” nos projetos cadastrados na plataforma. “Acreditamos que os próprios projetos vão atrair seus apoiadores para dentro da plataforma”, explica o empreendedor.

O cadastro de projetos também deverá ser cobrado – a primeira idéia pode ser cadastrada gratuitamente, mas a inserção dos próximos projetos passa a ser paga– e a dupla estuda também modelos de publicidade para tornar a plataforma lucrativa. 

Os interessados em apoiar projetos recebem gratuitamente 15 mil moedas virtuais do site ao se cadastrar e já podem começar a apostar nos seus negócios favoritos.
 

Acompanhe tudo sobre:Empreendedoresfinanciamentos-para-pequenas-empresasStartups

Mais de PME

Mais na Exame