Acompanhe:

Inovar exige mudança de comportamento, afirma cientista

A informação é do cientista-chefe do Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife (Cesar), Silvio Lemos Meira

Modo escuro

Continua após a publicidade
Menino segurando uma lampada ideia (Rego Korosi/Creative Commons)

Menino segurando uma lampada ideia (Rego Korosi/Creative Commons)

R
Regina Xeyla

Publicado em 18 de julho de 2011 às, 09h37.

Porto de Galinhas - Inovação não é patente, não é novidade. A palavra significa mudança de comportamento de fornecedores e consumidores, segundo o cientista-chefe do Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife (Cesar), Silvio Lemos Meira. Na sua análise, o termo inovar se tornou banal na linguagem popular.

“É preciso mudar o comportamento das pessoas frente ao atual cenário, em que cada vez mais, surgem oportunidades, em intervalos mais curtos. O empresário precisa redesenhar seu negócio para atender esse novo mercado que esse apresenta hoje”, afirma.

Para o cientista, os Agentes Locais de Iovação (ALI), que compõe o programa do Sebrae, são agentes do conhecimento, que têm papel importante no esclarecimento das micro e pequenas empresas sobre o que de fato é inovar. “O fazer diferente precisa ser tratado como princípio do negócio, é um processo contínuo. Estamos falando do compartilhamento de coisas, expectativas, processos, problemas e soluções”, disse.

Silvio mostrou o quadro das inovações ocorridas desde o Império Romano até o processo de mecanização, em 1970, e a atual explosão dos softwares e redes. “O processo de inovar acontece em ondas na sociedade, nas economias e nos mercados”. Segundo ele, “neste atual momento, as criações devem ser focadas no cliente, que cada vez mais quer algo complexo, porém com utilização simples. O cliente sabe que é possível. Isso é fazer diferente”.

Na avaliação do cientista, é preciso pensar produtos e serviços como um todo e articulados com as cadeias de valores. “O mercado é mutante. Se não nos adequarmos, vamos virar commodites”, advertiu. E acrescentou: "A tecnologia é suporte para inovação. Esta por sua vez, não é fim, e sim meio”.


Encontro ALI
A palestra de Silvio Meira encerrou as atividades do 2º Encontro Nacional dos Agentes Locais de Inovação (ALI), que acontece desde terça-feira (13) e teve seu encerramento na tarde desta sexta (15) em Porto de Galinhas em Pernambuco.

Ao finalizar o encontro, o diretor superintendente do Sebrae em Pernambuco, Roberto Castelo Branco, agradeceu pelo estado ter sido escolhido para sediar o evento e ressaltou: “O Sebrae está construindo um dos programas mais sérios de inovação que o país precisa”. Já o diretor-técnico do Sebrae Nacional, Carlos Alberto dos Santos, afirmou que daqui a um ano, não serão 432 ALI, e sim, mil Agentes Locais de Inovação”, Santos propôs: "No próximo ano, o encontro se chamará ‘Encontro da Rede dos Agentes Locais de Inovação do Brasil’.

Últimas Notícias

Ver mais
Pulga atrás da orelha: minha experiência com o Vision Pro, da Apple
Tecnologia

Pulga atrás da orelha: minha experiência com o Vision Pro, da Apple

Há 14 horas

'Colheita de dados': startups latino-americanas transformam o agronegócio
Tecnologia

'Colheita de dados': startups latino-americanas transformam o agronegócio

Há um dia

A substituta: o que faz a Deco.cx, a startup carioca vencedora do Web Summit Rio 2024
seloNegócios

A substituta: o que faz a Deco.cx, a startup carioca vencedora do Web Summit Rio 2024

Há 3 dias

“Startups brasileiras sem ambição de serem globais, não têm chance de fazer IPO”, diz Domo.VC
seloNegócios

“Startups brasileiras sem ambição de serem globais, não têm chance de fazer IPO”, diz Domo.VC

Há 3 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais