Acompanhe:

Indústria de capital de risco tem US$ 17 bi para investir até 2015

De acordo com estudo feito pela FGV, o setor cresce 45% ao ano no país desde 2004

Modo escuro

Continua após a publicidade
Dados (Stock.xchng)

Dados (Stock.xchng)

P
Priscila Zuini

Publicado em 22 de junho de 2011 às, 11h49.

São Paulo - Ao que tudo indica, a indústria de private equity e venture capital se estabelece de vez no Brasil. O setor cresce 45% ao ano desde o final de 2004. As informações são do 2º Censo Private Equity e Venture Capital, feito pelo Centro de Estudos em Private Equity e Venture Capital (GVcepe) da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (FGV-EAESP) em parceira com a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI).

O estudo aponta que as organizações têm US$ 17.8 bilhões disponíveis para investir nos próximos 3 a 5 anos. Isso se confirma com dois fatos: 98% das organizações gestoras testão buscando novos investimento e 81,5% esperam levantar novos veículos para investir no Brasil nos próximos 3 anos.

Em 2009, o montante para ser investido era de US$ 36,1 bilhões, 25% a mais do que em 2008. Ao todo, foram investidos US$ 6,1 bilhões. Pelo levantamento, as empresas de informática e eletrônica são as mais requisitadas pelos fundos, levando 20,5% do total. Em seguida, aparecem na lista companhias das áreas de construção civil (13,7%), energia e combustíveis (11,2%), comunicação (6,6%) e varejo (5,2%).

Em relação ao porte, o segmento de venture capital, que inclui capital semente, representa 43% e o segmento de capital para expansão, 36,5%. Ao todo, o setor tem 500 empresas em portfólio, emprega mais de 1500 pessoas e representa 2,3% do PIB, abaixo da média global de 3,7%.

Cresceu também a quantidade de gestoras envolvidas nesta indústria. Eram 71 há sete anos e hoje são 180, sendo que 70% das organizações são privadas e independentes. Entre os 10 maiores em volume de capital, estão grupos nacionais e de países como Estados Unidos, Inglaterra, Portugal e Espanha.

A pesquisa ouviu 144 organizações gestoras e constatou que entre 2005 e 2009 foram feitos 414 novos investimentos, sendo que 137 resultaram em saídas e o restante em IPOs, sigla para ofertas públicas iniciais em bolsa de valores. Neste mesmo período, o capital investido foi de quase US$ 28 bilhões.

Em uma visão global, a indústria teve uma retração em 2009 no mundo, passando de US$ 636 bilhões para US$ 246 bilhões. No Brasil, o movimento foi contrário, a captação foi de US$ 4,6 bilhões para US$ 6,1 bilhões. Hoje, o país é responsável por 2,5% dos investimentos deste tipo no mundo.

Últimas Notícias

Ver mais
Como uma empresa faz R$ 160 milhões levando pessoas ao trabalho — sem ter sequer um veículo
seloNegócios

Como uma empresa faz R$ 160 milhões levando pessoas ao trabalho — sem ter sequer um veículo

Há 3 dias

“Estou muito interessado em oportunidades no Brasil”, diz Victor Lazarte, fundador da Wildlife
seloNegócios

“Estou muito interessado em oportunidades no Brasil”, diz Victor Lazarte, fundador da Wildlife

Há 4 dias

"Eu estou mais otimista do que há um ano", afirma Alex Szapiro, líder do SoftBank na América Latina
seloNegócios

"Eu estou mais otimista do que há um ano", afirma Alex Szapiro, líder do SoftBank na América Latina

Há 5 dias

Startup desenvolve solução feita com resíduos para captar CO2 da mineração
ESG

Startup desenvolve solução feita com resíduos para captar CO2 da mineração

Há 5 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais