Acompanhe:

Franquias com mulheres faturam 34% mais, diz pesquisa

A alta no faturamento está ligada à vontade de aprender e a facilidade de gerenciar problemas

Modo escuro

Continua após a publicidade
Comunicação: alta de 1,03% com impacto de 0,04 ponto percentual (Getty Images)

Comunicação: alta de 1,03% com impacto de 0,04 ponto percentual (Getty Images)

P
Priscila Zuini

Publicado em 25 de fevereiro de 2014 às, 06h00.

São Paulo – Mais focadas, curiosas e atentas. Estas seriam as principais características de mulheres à frente de franquias. Hoje, elas representam 48% dos franqueados no Brasil. As unidades sob o comando feminino podem ter faturamento até 34% mais alto. Os dados são da pesquisa anual do perfil do franqueado brasileiro, realizada pela consultoria Rizzo Franchise, e divulgada com exclusividade a EXAME.com.

O estudo mostra ainda que existem mais de 65 mil mulheres comandando franquias e quase 500 mil se candidataram à compra em 2013. A participação das mulheres neste mercado cresceu 6,9% no último ano. Para Marcus Rizzo, que comandou o estudo, as mulheres encontram nas franquias uma chance de desenvolver suas carreiras. “O faturamento maior se deve a uma característica muito forte. É uma questão de permanência nos negócios. Elas têm uma permanência mais constante e isso gera resultado. Franquia é negócio de barriga no balcão”, diz Rizzo.

Mirian Delavalli, 46 anos, é um exemplo disso. Depois que o marido ficou sem emprego, o casal resolveu investir as economias em uma franquia da Patroni Pizza, no Rio de Janeiro. Hoje, a unidade tem o segundo maior faturamento da rede, chegando a 200 mil por mês.

Para Mirian, a complementariedade entre ela e o marido ajudaram no negócio. “Ele é frio, calculista e objetivo. Tudo que ele é eu não sou. Quando a gente dividiu nossas tarefas, naturalmente, eu preferi lidar com as pessoas, os funcionários e com detalhes”, conta.

A atenção ao detalhe é também responsável pelo melhor resultado. “As mulheres são mais presentes, fazendo o negócio acontecer, se envolvendo. Elas usam a disponibilidade de maneira muito intensa e com mais vontade de aprender”, afirma Rizzo. 


Hoje, os setores mais procurados pelas mulheres são saúde e beleza, acessórios e fast food. Apesar disso, negócios mais “masculinos” também são explorados pelas empreendedoras. “A gente começa a ver muitas mulheres em negócios tipicamente de homens, como posto de gasolina a oficina. Ainda não é representativo, mas é um movimento forte”, explica o consultor.

Setor % de interessadas % de franqueadas
Saúde e beleza 14,8 18,4
Acessórios 11,9 14,7
Fast food 11,2 13,9
Vesturário 9,7 12,0
Alimentação 8,1 10,0
Móveis e Decoração 7,6 9,5
Serviços 6,4 8,0
Educação 4,2 5,2
Livros 3,4 4,3
Serviços Especiais 3,2 4,0

A flexibilidade feminina aparece também na criação de novas redes. É o caso de Maria Eduarda Pessôa de Queiroz, sócia-fundadora da Play Space, franquia de espaços recreativos em shoppings. Para contornar um ponto ruim no shopping, Maria Eduarda apelou para os sentidos. “Resolvi fazer pipoca e torcer para as pessoas virem atrás do cheiro. E isso aconteceu”, conta.

Depois de 15 anos no mercado, começa a vender suas primeiras franquias. “Foi um desafio, igual um filho. Eu fui entregar os manuais e titubeei. Parecia que era um filho que eu estava entregando e foi uma sensação dúbia na hora. É uma mistura de história de vida e da empresa”, confessa.

A motivação é, segundo o estudo, uma das características determinantes para o crescimento das mulheres neste mercado. É o caso de Eloisa Oliveira Kalaf, franqueada da rede Mr. Kids. Ela se divide entre uma empresa da família e as máquinas de vendas de brinquedos. Depois de muitos testes, conseguiu chegar a um resultado satisfatório. “Eu tiro de 6,5 mil a 7 mil reais ao mês. O desafio maior é você conseguir fidelizar um ponto bacana e que seja rentável”, conta. 

Últimas Notícias

Ver mais
Declaração Anual do MEI deve ser enviada até 31 de maio
seloNegócios

Declaração Anual do MEI deve ser enviada até 31 de maio

Há 6 horas

Além do macarrão: Spoleto aposta em franquia de pizza e cliente vai "criar seu prato"
seloNegócios

Além do macarrão: Spoleto aposta em franquia de pizza e cliente vai "criar seu prato"

Há um dia

Faturamento das pequenas e médias empresas cresce 13,9% em janeiro
seloNegócios

Faturamento das pequenas e médias empresas cresce 13,9% em janeiro

Há um dia

As lições de um empresário que largou a CLT e deve faturar R$ 25 milhões com moda e viagem
seloCarreira

As lições de um empresário que largou a CLT e deve faturar R$ 25 milhões com moda e viagem

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais