• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Escola de programação Kenzie Academy recebe aporte de R$ 8 milhões

Fundada em janeiro de 2020, a empresa adota um modelo em que o aluno pode estudar de graça e pagar somente após conseguir um emprego
 (Divulgação/Kenzie Academy)
(Divulgação/Kenzie Academy)
Por Carolina IngizzaPublicado em 24/03/2021 06:00 | Última atualização em 23/03/2021 19:17Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Para expandir sua atuação pelo Brasil, a escola de programação online Kenzie Academy acaba de captar um aporte de 8 milhões de reais com a consultoria estratégica E3 Negócios, de Curitiba. Com o capital, a empresa irá investir em ferramentas e tecnologia para conseguir formar pelo menos mais 2.500 desenvolvedores ao longo de 2021 e 2022.

Fundada em janeiro de 2020 pelos sócios Daniel Kriger e Ugo Roveda, a startup licencia no Brasil a marca americana Kenzie Academy. No seu primeiro ano de atuação no país, ela recebeu mais de 50.000 candidatos interessados, mas só conseguiu atender 400 estudantes — agora, espera ampliar sua atuação.

A edtech adota um modelo conhecido como ISA (acordo de compartilhamento de renda, na sigla em inglês), em que os estudantes podem fazer os doze meses de curso e só começar a pagar depois de empregados com salário acima de 3.000 reais por mês. Nesse formato, a empresa cobra 17% do salário do ex-aluno por até 60 meses. No total, o curso sai por 40.000 reais. À vista, o preço é 22.000 reais.

Todos os anos, no Brasil, o número de vagas abertas para cargos de tecnologia é maior do que o de estudantes formados nessas áreas. Segundo relatório da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação, o déficit de profissionais pode chegar a 260.000 até 2024.

“Precisamos reduzir a carência da falta de desenvolvedores formados com qualidade e rapidez e a Kenzie faz parte desta revolução. A formação de profissionais da área de tecnologia da informação capacitados deve fazer parte de uma estratégia de desenvolvimento nacional, pois a falta destes profissionais atrasa a digitalização de diversos setores cruciais para a competitividade e crescimento da economia brasileira”, diz Bruno Freitas, diretor de investimentos da E3 Negócios.

Outras startups atuam com o mesmo modelo de ISA da Kenzie, como a edtech Blue, lançada pela head hunter Daniela Lopes neste ano para tentar diminuir o gap de profissionais de tecnologia no mercado. A mais famosa delas, no entanto, é a Trybe, que foi fundada em 2019 e já recebeu mais de 57 milhões de reais em aportes.

Além do código

Quando Kriger, ex-executivo da Positivo, e Roveda, ex-funcionário da Bcredi, decidiram criar uma escola de formação de programadores, eles procuram um modelo que permitisse que os alunos experimentassem desde o princípio do curso a realidade do mercado de trabalho.

No caso da Kenzie, a metodologia da escola foi desenvolvida por engenheiros de software do Vale do Silício para formar desenvolvedores full stack capazes de programar em linguagens como HTML, CSS, JavaScript, React, SQL e Python.

Além das aulas de programação, a edtech trabalha com os alunos habilidades pedidas pelo mercado de trabalho, como liderança, feedback, relacionamento em equipe e comunicação — as chamadas soft skills.

Como seu modelo de negócio depende que os alunos sejam empregados, a Kenzie também tem parcerias com empresas de tecnologia para garantir que os estudantes saiam do curso empregados. Hoje, empresas como Ebanx, Banco Bari, James Delivery e Creditas contratam programadores formados pela escola.

"Temos 100% de empregabilidade dos nossos alunos após três meses de conclusão do curso de programação, o que indica que nosso método realmente funciona”, diz Kriger.
 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.