PME

Startup que ajuda médicos na triagem de pacientes leva aporte de R$ 3,2 mi

A NeuralMed, fundada em 2018, usa inteligência artificial para analisar exames comuns no dia a dia dos pronto-socorros

Raio-X: por se especializar na leitura de exames comuns, a tecnologia da startup pôde ser utilizada pelos médicos na triagem de pacientes com covid-19 (Ron Levine/Getty Images)

Raio-X: por se especializar na leitura de exames comuns, a tecnologia da startup pôde ser utilizada pelos médicos na triagem de pacientes com covid-19 (Ron Levine/Getty Images)

CI

Carolina Ingizza

Publicado em 24 de março de 2021 às 10h00.

Última atualização em 24 de março de 2021 às 11h38.

A startup brasileira NeuralMed anuncia nesta quarta-feira, 24, ter recebido um aporte de 3,2 milhões de reais liderado pelas gestoras Alexia Ventures, Norte Ventures, MG Tech e pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Responsável por uma tecnologia que ajuda médicos e hospitais a fazer a triagem de pacientes, a empresa planeja usar o capital para aprimorar suas ferramentas e expandir internacionalmente.

O negócio foi fundado em 2018 pelo economista Anthony Eigier e o radiologista André Castilla para ajudar médicos a organizar a fila de pacientes e ganhar agilidade no diagnóstico. Com uma inteligência artificial própria, a empresa consegue analisar resultados de exames comuns, como radiografias e tomografias do tórax, e indicar para o profissional de saúde a presença ou não de anomalias nos resultados.

“Nosso objetivo é gerar eficiência dentro do sistema de saúde. Infelizmente não há especialistas suficientes para ler o volume de exames que são feitos, então usamos inteligência artificial para agilizar o processo”, diz Eigier, presidente da startup.

Hoje, os hospitais clientes têm usado a solução da NeuralMed em duas frentes. A primeira é para a reorganização da fila de urgência. Enquanto os pacientes do pronto-socorro fazem os exames, a tecnologia da startup aponta quais pessoas estão com o pior quadro e se beneficiariam de atendimento prioritário. O Hospital Estadual Vila Alpina, de São Paulo, por exemplo, reestruturou seu fluxo de atendimento no último ano usando a solução da empresa.

Anthony Eigier e Andre Castilla, fundadores da NeuralMed (NeuralMed/Divulgação)

A segunda área de atuação da startup é a análise de laudos médicos. Sua tecnologia analisa os relatórios escritos pelos médicos e extrai os dados mais importantes do diagnóstico. Com isso, os hospitais e clínicas conseguem informações para fazer uma análise de doenças mais comuns na região, controle de qualidade do atendimento e acompanhamento da evolução dos casos.

Como sua tecnologia foi treinada para analisar exames de imagem do pulmão, a startup ganhou muito espaço durante a pandemia de coronavírus. O BID patrocinou a empresa por um ano para que ela pudesse oferecer seus serviços gratuitamente a hospitais. No final do ano passado, ela estava atendendo seis grupos hospitalares. Agora, com o aporte, planeja ter pelo menos 20 hospitais clientes na sua base até o final do ano.

“O dinheiro é bem-vindo para nos ajudar a aumentar o time de vendas e de acompanhamento dos clientes”, diz Eigier. Hoje, a companhia emprega 15 pessoas, das quais dez foram contratadas após a rodada de investimento. Até então, a empresa usava cerca de 2 milhões de reais captados com amigos e familiares para se manter. Com esse novo impulso financeiro, projeta crescer 700% até 2025, analisando mais de 1 milhão de exames por mês em diversos países.

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Acompanhe tudo sobre:HospitaisInvestimentos de empresasStartupsVenture capital

Mais de PME

MEI: conheça a categoria empresarial que conta com mais de 12 milhões de empreendedores

Simples Nacional: o que é o regime tributário, quais são as vantagens e requisitos para aderir?

Mais na Exame