PME

Conheça as 18 “super fintechs” brasileiras, de unicórnios a promessas

Distrito, empresa que promove a inovação aberta, mapeou as fintechs brasileiras de maior destaque entre as 553 que existem hoje no país

David Vélez, do Nubank: há startups conhecidas dos consumidores finais e que recentemente captaram aportes polpudos, como a fintech dos cartões roxos (Germano Lüders/Exame)

David Vélez, do Nubank: há startups conhecidas dos consumidores finais e que recentemente captaram aportes polpudos, como a fintech dos cartões roxos (Germano Lüders/Exame)

Mariana Fonseca

Mariana Fonseca

Publicado em 19 de agosto de 2019 às 06h00.

Última atualização em 19 de agosto de 2019 às 11h11.

O Brasil tem 553 fintechs, ou startups que oferecem serviços financeiros. Algumas delas, porém, são especiais. Elas alcançaram um valor de mercado de um bilhão de dólares ou mais, ganhando o apelido de unicórnios, ou estão próximas do marco.

Essas são as “super fintechs”, de acordo com um novo estudo da empresa que promove a inovação aberta Distrito. O estudo é um desdobramento do Fintech Mining Report, estudo anterior do Distrito que já havia mapeado algumas das super fintechs que aparecem neste estudo mais recente.

Um algoritmo levou em conta investimentos captado, presença e engajamento na mídia (Facebook, Instagram, LinkedIn e Twitter), porte do negócio (número de funcionários), acessos ao site (SimilarWeb), valor do mercado mirado, faturamento presumido e avaliação de funcionários (Glassdoor) para chegar às 18 fintechs de maior destaque entre as centenas existentes hoje no país.

Unicórnios e promessas

Na lista há startups conhecidas dos consumidores finais e que recentemente captaram aportes polpudos. Exemplos são os unicórnios do mercado financeiro Stone, que realizou sua oferta pública inicial de ações no mercado americano e hoje é avaliada em 10,3 bilhões de dólares, e Nubank, que foi avaliado em 10,4 bilhões de dólares após um aporte de 400 milhões de dólares do fundo americano TCV, que já investiu nas gigantes de streaming Netflix e Spotify.

Outras atuam ainda não se tornaram unicórnios, mas estão próximas da avaliação de mercado de um bilhão de dólares. Um exemplo é a Creditas, fintech de empréstimos com garantia que está avaliada em 700 milhões de dólares após um investimento do então maior fundo de startups do mundo, o Vision Fund do SoftBank Group.

Ainda que boa parte das super fintechs tenha surgido a partir de 2010, acompanhando o aumento no número geral de startups no país, algumas nasceram bem antes da data. A Certisign e a Conductor surgiram no final dos anos 90. A mais nova das super fintechs é a Neon, que completou três anos de operação no mês anterior.

A maioria das superfintechs, 14 das 18 elencadas, está no estado de São Paulo. Completam a lista Paraná (2), Rio de Janeiro (1) e Santa Catarina (1). 

Em número de funcionários, a Stone é um ponto fora da curva por conta de seu modelo de capilaridade para venda das maquininhas de crédito e débito. São 3.000 funcionários. Em segundo lugar está o PagSeguro, com 1.331 membros. O Nubank ficou na terceira posição, com 1.313 funcionários.

Veja, abaixo, a lista completa das 18 super fintechs brasileiras:

FintechÁrea de atuação
CertisignRisco e compliance
ClearsaleRisco e compliance
ConductorMeios de pagamento
ContaAzulBackoffice
ContabilizeiBackoffice
CreditasCrédito
EbanxMeios de pagamento
GeruCrédito
GuiabolsoFinanças pessoais
NeonServiços digitais
NubankServiços digitais
PagSeguroMeios de pagamento
PravalerCrédito
RecargaPayServiços digitais
StoneMeios de pagamento
TriggCartões
WeelCrédito
ZoopMeios de pagamento

 

Acompanhe tudo sobre:Banco NeonFintechsNubankPagSeguroStartupsStone

Mais de PME

Mais na Exame