Acompanhe:
seloNegócios

Versão brasileira, Herbert Richers: como estão os clássicos estúdios de dublagem que bombavam na TV

Se você assistiu televisão ou foi ao cinema durante os anos 1970 e 2000, certamente já ouviu falar sobre Herbert Richers, Álamo e Gota Mágica

Modo escuro

Continua após a publicidade
Muppets, Scooby-Doo e Dragon Ball: desenhos que ficaram "brasileiros" com os estúdios de dublagem Álamo, Herbert Richers e Gota Mágica (Reprodução)

Muppets, Scooby-Doo e Dragon Ball: desenhos que ficaram "brasileiros" com os estúdios de dublagem Álamo, Herbert Richers e Gota Mágica (Reprodução)

Assistir a desenhos como Scooby-Doo, Corrida Maluca, He-Man e Cavaleiros do Zodíaco nos anos 1970, 1980 e 1990 tinha um gostinho especial no Brasil. E só aqui. Antes da animação de fato começar, os telespectadores ouviam a talvez uma das frases mais escutadas pelas crianças brasileiras das últimas décadas do século passado. A famosa “versão brasileira”, que apresentava os estúdios de dublagem responsáveis pelas vozes brasileiras dos clássicos desenhos.

Se você assistiu televisão ou foi ao cinema naquela época, certamente ouviu algumas das frases abaixo.

  • Versão brasileira, Herbert Richers
  • Versão brasileira, Álamo
  • Versão brasileira, Gota Mágica

Num país onde a maioria das pessoas preferem filmes dublados a legendados (uma pesquisa de 2015 indica que seis a cada 10 pessoas preferem assistir aos filmes com vozes brasileiras), os estúdios de dublagem viraram um show à parte e conquistaram um espaço especial no coração (e na memória) dos brasileiros, que até hoje perguntam: por onde andam esses clássicos estúdios do século passado?

A EXAME foi atrás das respostas.

Herbert Richers

Scooby Doo se passa em um cenário pós-depressão econômica

Scooby Doo foi dublado pelo estúdio Herbet Richers

Talvez o mais conhecido dos estúdios de dublagem, Herbert Richers foi inaugurado no Rio de Janeiro na década de 1950 e chegou a dublar 70% dos filmes que passavam nos cinemas brasileiros. 

Fundado por um empresário de mesmo nome, o estúdio nasceu de uma conversa que Richers teve com ninguém mais, ninguém menos que Walt Disney. O gigante do entretenimento mundial estava no Rio de Janeiro e precisava de alguém para fazer imagens da cidade. Herbert assumiu a função e ficou próximo de Disney. Anos depois, visitou os estúdios da gigante nos Estados Unidos e recebeu a sugestão de dublar os seriados da empresa para o Brasil.

Foi o início de décadas de bonança e liderança no setor. 

No início dos anos 2000, a empresa entrou numa crise financeira, da qual nunca saiu. Mudanças sindicais permitiram que artistas tivessem mais flexibilidade nos contratos com os estúdios, o que fez a concorrência aumentar significativamente. 

Além disso, Richers contratava seus dubladores por contratos fixos, e não por projetos, o que encarecia a folha. Num certo momento, nos anos 1970, chegou a ter mais artistas no seu elenco do que a TV Globo, uma das maiores produtoras de conteúdo do mundo. 

Com a empresa operando no vermelho, os salários começaram a atrasar e os funcionários descobriram que várias parcelas do FGTS não estavam sendo pagas.  O empresário morreu aos 86 anos e as atividades dos estúdios foram encerradas.

Hoje seu filho, Herbert Richers Jr, é dono da HRJDUB, que oferece workshops em dublagem. 

Álamo

Enquanto Herbert Richers fazia sucesso no Rio de Janeiro, em São Paulo, o estúdio de dublagem da época era o Álamo. Responsável por dar voz brasileira a clássicos orientais como Jaspions, e a outros famosos desenhos ocidentais, como Bob Esponja e Os Rugrats, a empresa se consolidou como uma das mais importantes do setor.

Hoje, assim como a Herbert Richers, ela já não existe mais. A empresa fechou em 2011 por motivos semelhantes aos da Herbert Richers – sobretudo a acirrada concorrência das empresas menores. 

À época em que fechou, o então presidente da empresa, Alan Stoll, disse à imprensa que grande parte dos novos estúdios praticavam um preço inferior ao vigente entre os estúdios de maior porte, o que prejudicava a atuação da Álamo e canibalizou a competição. 

Fundado em 1972 pelo inglês Michael Stoll, pai de Alan, o estúdio foi responsável por obras como: 

  • Muppets Show
  • Anos Incríveis
  • Lost
  • Dr House

Gota Mágica

Dragon Ball Super

Fechando a tríade dos grandes estúdios do século passado está a Gota Mágica, fundada por Mário Lúcio de Freitas. A empresa ficou famosa pela dublagem de várias séries japonesas que bombaram na TV, principalmente nos anos 1990.

A empresa também fez muitas versões brasileiras das músicas de abertura de séries famosas, como Chaves, Cavaleiros do Zodíaco e Dragon Ball.

A empresa fechou em 1998. Os motivos nunca foram bem revelados. Numa entrevista para um blog de cinema no início dos anos 2010, Freitas falou que “motivos pessoais” o levaram a fechar o estúdio, que, na época, ainda tinha uma alta carga de trabalho. 

Hoje, Freitas compõe músicas para produtos e também escreve livros infantis. 

Novos estúdios

Três dos mais imponentes estúdios de dublagem da segunda metade do século 20 não existem mais, mas a dublagem, em si, está mais forte do que nunca. Uma pesquisa de 2015 mostra que seis a cada 10 brasileiros preferem ver produtos audiovisuais dublados do que legendados. 

E as oportunidades para o setor se expandiram com os streamings, como Netflix, Amazon Prime e Globoplay. Jogos de videogame também representa uma área em crescimento dentro do universo da dublagem.

Hoje, na lista das grandes empresas que seguem operando estão a VoxMundi, que teve parte da sociedade vendida recentemente para a estrangeira VSI, e a Unidub, fundada por Wendel Bezerra, dublador que dá voz a personagens icônicos como Bob Espoja.

No Rio, um clássico ainda resiste. É a Delart, criada há mais de 40 anos pelo empresário espanhol Carlos de la Riva, um engenheiro na área do som. Ele trabalhou na Espanha e nos Estados Unidos e, posteriormente, foi pioneiro na dublagem de filmes no Brasil. A empresa segue funcionando e dublando para produtoras e distribuidoras como Sony Columbia, Warner Bros, Universal.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Em negócio de R$ 20 milhões, empresa de SP compra startup para agilizar comércio no exterior
seloNegócios

Em negócio de R$ 20 milhões, empresa de SP compra startup para agilizar comércio no exterior

Há 9 horas

29% das empresas brasileiras fecham nos primeiros 5 anos; veja como a IA pode mudar essa realidade
seloNegócios

29% das empresas brasileiras fecham nos primeiros 5 anos; veja como a IA pode mudar essa realidade

Há 12 horas

Em expansão no Brasil, Globant é classificada como marca de TI com crescimento mais rápido do mundo
seloNegócios

Em expansão no Brasil, Globant é classificada como marca de TI com crescimento mais rápido do mundo

Há 12 horas

Shopee inaugura 10º centro de distribuição no Brasil
seloNegócios

Shopee inaugura 10º centro de distribuição no Brasil

Há 12 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais