Acompanhe:
seloNegócios

Só 67% das empresas investem em transformação digital, diz Cisco

"Muitas empresas não irão mais existir no futuro, por não criarem ambientes disruptivos", afirmou gerente de indústria e consumo da Cisco

Modo escuro

Continua após a publicidade
Inovação: "Muitas empresas não irão mais existir no futuro, por não criarem ambientes disruptivos", afirmou gerente da Cisco (Thinkstock)

Inovação: "Muitas empresas não irão mais existir no futuro, por não criarem ambientes disruptivos", afirmou gerente da Cisco (Thinkstock)

K
Karin Salomão

Publicado em 18 de janeiro de 2017 às, 12h22.

Última atualização em 18 de janeiro de 2017 às, 12h26.

São Paulo – Com o mundo em constante mudança, quem não se preparar para o futuro está fadado a desaparecer. No entanto, apenas 67% das empresas brasileiras estão investindo em novas tecnologias ou serviços para acompanhar as transformações digitais.

É o que aponta a pesquisa “The Current State of Digital Readiness in Retail”, realizada pela Cisco com mais de 200 executivos do varejo em todo o mundo, sendo 30 deles no Brasil.

"Muitas empresas não irão mais existir no futuro, por não criarem ambientes disruptivos", afirmou João Paulo Albuquerque Melo, gerente geral da divisão de indústria de consumo da Cisco para América Latina.

A pesquisa aponta que 30% das empresas estão apenas esperando, com uma postura passiva, as transformações ocorrerem, para só então investir em inovação digital.

A Cisco dividiu os investimentos em tecnologias em três fases, de viabilização, diferenciação e definição.

De acordo com ela, uma empresa precisa primeiro formar uma base sólida com data centers, centros de distribuição conectados, obtenção e análise de dados de suas lojas e funcionários.

Depois, criam tecnologias que as diferenciam de seus concorrentes para, enfim, criar novos modelos de negócios e transformar o mercado em que estão inseridos.

Cerca de metade dos investimentos das companhias ainda está relacionada à fase de viabilização, ou seja, na base.

Ainda assim, há alguns setores mais avançados na transformação digital, diz Melo, como empresas de tecnologia da informação e de mídia e entretenimento. Aos poucos, o varejo também está realizando mudanças significativas no seu formato, de acordo com ele.

Entre as empresas que conseguiram modificar o setor usando a tecnologia, estão o Uber, Apple e Starbucks.

Para a Cisco, algumas inovações trazem aumentos significativos no valor de mercado para a empresa. Alguns exemplos são o investimento em análise de dados para aumentar a eficiência dos funcionários, uso de especialistas virtuais que podem dar mais informações ao consumidor sobre um produto e melhorar o check out, para diminuir as filas no caixa e melhorar o fluxo na loja.

Americanos e brasileiros

Entre os 200 empresários que foram entrevistados, 30 eram brasileiros. A pesquisa apontou que há diferenças importantes na forma como as empresas por aqui escolhem investir em tecnologia, em comparação com os norte-americanos.

O estudo indica que 67% dos varejistas do Brasil estão investindo a fim de se preparar para a transformação digital, em comparação aos norte-americanos (51%).

Além disso, as empresas brasileiras optam por investir mais em experiência do cliente, com 46% dos investimentos nessa área contra 40% dos gastos de empresas dos Estados Unidos.

Segundo Melo, essa diferença acontece porque as empresas já estão mais avançadas em relação à experiência do consumidor e, por isso, optam por investir em inovações tecnológicas.

Os varejistas no mercado brasileiro estão mais focados em investir em tecnologias que possam auxiliá-los nos indicativos para as próximas tomadas de decisão (como a utilização de ativos e gerenciamento de energia) mesmo que eles ainda não estejam prontos para implementar tecnologias mais inovadoras.

Últimas Notícias

Ver mais
Receita estende até 12 de abril prazo para empresas aderirem ao piloto do 'Confia'
seloMinhas Finanças

Receita estende até 12 de abril prazo para empresas aderirem ao piloto do 'Confia'

Há 14 horas

SXSW na prática: as lições de marketing do evento de inovação em Austin
seloMarketing

SXSW na prática: as lições de marketing do evento de inovação em Austin

Há 2 dias

BNDES financia construção de fábrica de etanol e farelo
Economia

BNDES financia construção de fábrica de etanol e farelo

Há 6 dias

Descarbonização: energia eólica offshore pode ser liderada pelo Brasil, diz secretário
ESG

Descarbonização: energia eólica offshore pode ser liderada pelo Brasil, diz secretário

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais