Negócios
Apresentado por RAÍZEN POWER

Raízen Power mira as pequenas empresas para oferecer economia na conta de luz

Além de ajudar empresas a migrarem para o Mercado Livre de Energia, a marca oferece soluções simplificadas que não exigem investimentos ou obras

Raízen Power: marca da Raízen oferece aos seus clientes acesso à energia 100% renovável  (Raízen/Divulgação)

Raízen Power: marca da Raízen oferece aos seus clientes acesso à energia 100% renovável (Raízen/Divulgação)

EXAME Solutions
EXAME Solutions

EXAME Solutions

Publicado em 22 de abril de 2024 às 12h00.

Última atualização em 22 de abril de 2024 às 15h40.

Poucos setores cresceram tanto no ano passado como o Mercado Livre de Energia, que teve um salto de 23%, segundo a Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel). O volume médio de energia comercializado diretamente entre comercializadoras e empresas chegou a 128 mil MW em 2023.

Para este ano, as perspectivas são ainda mais otimistas, com a abertura para todas as empresas conectadas em alta tensão. Essa modalidade permite ao consumidor a escolha de seu próprio fornecedor de energia, negociando preços, prazos, volume e ainda possibilita uso de energia a partir de uma fonte renovável.

As principais empresas de energia também seguem em franca expansão, acompanhando o crescimento do setor. A Raízen Power, marca da Raízen dedicada a soluções de energia elétrica renovável, vendeu cerca de 9,5 mil GWh de energia no terceiro trimestre do ano safra 2023/2024, cinco vezes mais em relação ao mesmo período da safra anterior.

Energia renovável para todos

A companhia fechou o ano de 2023 como uma das maiores comercializadoras do país, se posicionando em primeiro lugar no ranking das comercializadoras nos meses de setembro, novembro e dezembro de energia da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

“Nosso objetivo é democratizar o acesso à energia renovável para todos. Para isso, acompanhamos e desenvolvemos análises robustas sobre o setor, investimos em tecnologia para digitalização de processos e simplificação de produtos para o consumidor, e assim desenvolvemos um portfólio cada vez mais completo de soluções para todos os perfis de clientes”, diz Daniel Sica, diretor de Trading e Mercado Livre de Energia da Raízen Power.

Sica destaca ainda que a companhia quer alcançar 10% de market share no ambiente de contratação livre de energia até 2030.

Raízen Power

Com planos acelerados de expansão no setor elétrico, a Raízen Power elaborou um conjunto de estratégias para facilitar a transição de empresas para o mercado livre e aumentar o seu portfólio, que hoje soma mais de 80 mil clientes em todas as soluções oferecidas pela marca.

A marca identifica quais soluções podem representar a maior redução de custos para o cliente, com minimização de riscos e oferece benefícios que vão de economia na fatura até a contratos de energia a preço fixo.

A Raízen Power também oferece um serviço de gestão sob medida. Alguns dos pontos tratados são: inteligência regulatória, estruturação de projetos de geração de energia e acompanhamento da jornada de descarbonização das empresas.

Soluções para todos os consumidores

Os grandes players do setor também estão olhando os consumidores de baixa tensão, que ainda não podem entrar no mercado livre, como residências e pequenos comércios.

No caso da Raízen Power, seu modelo de negócios é one-stop-shop; ou seja, o foco é oferecer soluções personalizadas para todos os tipos de clientes, seja em casa, seja no trabalho, seja no deslocamento.

A Raízen Power oferece ainda serviços de mobilidade elétrica com o programa Shell Recharge, comercialização de certificados I-RECS, entre outras soluções de gestão eficiente do consumo de energia.

Acompanhe tudo sobre:branded-content

Mais de Negócios

De olho na geração Z, fintech NG.Cash capta R$ 65 milhões em rodada liderada pela Monashees

Takeda chega a acordo de US$ 2,2 bilhões para desenvolver vacina contra Alzheimer

Enchentes no RS: quais são as iniciativas já existentes para ajudar pequenos negócios gaúchos

Após lucro antes do esperado, fintech quer crescer cinco vezes e ver mais de R$ 1 bi em plataforma

Mais na Exame