Os dados confirmam: boas práticas de governança valorizam ações

Conheça o impacto que uma boa política de governança pode ter na lucratividade de uma empresa

FONTE: Relatório “A caminho da transparência” da Deloitte

FONTE: Relatório “A caminho da transparência” da Deloitte (Gráfico/Estúdio ABC)

A questão da transparência corporativa nunca esteve tão em evidência como nos últimos anos. De acordo com um estudo feito pela consultoria Deloitte com 103 empresas, os principais motivos para a estruturação de uma área de governança são o aumento na qualidade das informações (84%) e a profissionalização da gestão (71%).

Além disso, 79% das companhias com capital de origem brasileira ouvidas pela consultoria apontam que a recessão econômica e o movimento em direção à ética têm mobilizado o mercado a avançar na adoção de práticas de governança corporativa. Elas proporcionam, entre outros benefícios, economia de custos, com a eliminação da burocracia interna, ganhos de eficiência, maior qualidade nas decisões e melhoria no controle dos processos.

A governança implica em aprendizado do ponto de vista da cultura empresarial e é fundamental praticá-la do ponto de vista comportamental

Cláudio M. Filho, professor da Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo (FEA/USP)

Companhias com políticas de compliance consistentes são mais atrativas para o investidor e garantem maior retorno aos acionistas a médio e longo-prazo. “A governança corporativa é tão importante como a inovação na geração de valor. Boas práticas dão segurança ao investidor”, Ronaldo Fragoso, sócio-líder de Risk Advisory da Deloitte. Para incentivar as empresas a adotarem boas práticas e destacar aquelas comprometidas com maior transparência, a Bovespa criou os Níveis 1 e 2 de governança corporativa e o Novo Mercado.

A cada nível, maiores são as exigências

As companhias Nível 1 se comprometem, por exemplo, com melhorias na prestação de informações ao mercado e com a dispersão acionária. As de Nível 2, além da aceitação das obrigações do Nível 1, devem adotar um conjunto mais amplo de práticas de governança e de direitos adicionais para os acionistas minoritários.

Já o Novo Mercado exige que as empresas, além de se comprometerem com a adoção de todas as exigências do Nível 2, devem emitir apenas ações ordinárias, acabando com o papel das ações preferenciais. O público alvo são as companhias interessadas em abrir o capital. Empresas abertas com ações preferenciais também podem entrar no Novo Mercado, desde que transformem todas as ações em ordinárias.

Segundo a consultoria global Economatica, a Petrobras, por exemplo, passou a ser a segunda maior empresa da Bovespa em valor de mercado no final de 2016, totalizando R$ 211,637 bilhões.

Um ano antes, em 2015, a diretoria de Governança, Risco e Conformidade foi criada com a meta de aprofundar os mecanismos de boas práticas de governança corporativa na empresa.

“Sistemas de controle, segregação de funções e análise de risco são algumas das melhorias trazidas pela governança”, comenta Reynaldo Makono Goto, diretor de compliance da Siemens, que consolidou seu departamento de governança corporativa e adotou um sistema de conformidade bem estruturado depois de ser investigada na Alemanha e nos Estados Unidos.

A Petrobras é um bom exemplo de uma mudança cultural, pois a companhia já adotava boas práticas, mas vem aprimorando essas ferramentas e criando novos mecanismos

Cláudio M. Filho, professor da FEA/USP

Na opinião de Goto, as empresas com sistema de governança robusto trazem vantagens ao acionista a médio e longo-prazo. “Fundamentos bem estruturados são essenciais para as companhias continuarem existindo. Atualmente, são questão de sobrevivência”.

Ele tem razão. De acordo com dados da Deloitte (gráfico abaixo), entre janeiro de 2001 e abril de 2017, as ações das empresas que fazem parte do Índice de Governança Corporativa (IGC) da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) valorizaram 122% a mais do que as ações das demais empresas brasileiras de capital aberto.

FONTE: Índice de Governança Corporativa (IGC) da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa)

FONTE: Índice de Governança Corporativa (IGC) da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) (Gráfico/Estúdio ABC)

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.