Negócios

Nava, de soluções tecnológicas, troca de CEO e mira faturamento de R$ 1 bilhão

Adriana Coutinho Viali, ex-VP da Oi e ex-head da Oi Soluções, entra como sócia e substitui André Scatolini

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 31 de maio de 2023 às 15h00.

Última atualização em 1 de junho de 2023 às 11h42.

NAVA Technology for Business, empresa que fornece serviços e soluções de negócios e tecnologia, trouxe Adriana Coutinho Viali, ex-VP da Oi e ex-head da Oi Soluções, como sócia e nova CEO. Adriana substitui André Scatolini, que comandou a companhia nos últimos 3 anos e agora atuará como Executive Chairman.

''Passei os últimos 20 anos em empresas do setor financeiro e telecomunicações, muitas dessa companhias nas quais trabalhei são clientes e parceiros importantes da NAVA. Logo, esse convite foi quase como natural. Nos sempre trabalhamos juntos e estive ligada a ecossistema da NAVA'', afirma Adriana.

Ao longo dos últimos anos, a NAVA se consolidou no mercado de tecnologia, auxiliando as empresas que procuram seus serviços, com uma estratégia robusta de entrega personalizada, oferecendo ao mercado soluções abrangentes para todo o ambiente de TI, como Application Services, Intelligent Outsourcing, Infrastructure & Cloud, Intelligent Automation, Data & Analytics, Cybersecurity, Payments e consultoria em Digital Strategy.

Em crescimento

A empresa de 27 anos triplicou de tamanho entre 2020 e 2022 e agora pretende atingir R$ 1 bilhão de faturamento nos próximos anos

"Iniciamos um novo capítulo com a entrada da Adriana. Comandei a empresa nos últimos 3 anos e agora assumo o papel de dar suporte para ela nesse novo crescimento", disse Scatolini.

Acompanhe tudo sobre:EmpresasCEOs

Mais de Negócios

Empreendedor produz 2,5 mil garrafas de vinho por ano na cidade

Após crise de R$ 5,7 bi, incorporadora PDG trabalha para restaurar confiança do cliente e do mercado

Após anúncio de parceria com Aliexpress, Magalu quer trazer mais produtos dos Estados Unidos

De entregadores a donos de fábrica: irmãos faturam R$ 3 milhões com pão de queijo mineiro

Mais na Exame