Negócios

Lee, conhecida pelas calças jeans, terá lojas físicas no Brasil

Objetivo é abrir seis lojas nos próximos três anos

Lee: atualmente a marca é vendida no e-commerce e em lojas multimarcas (Lee/Reprodução)

Lee: atualmente a marca é vendida no e-commerce e em lojas multimarcas (Lee/Reprodução)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 29 de maio de 2024 às 17h22.

Última atualização em 29 de maio de 2024 às 17h36.

Um dos grandes sucessos de calças jeans no século passdo, a Lee quer voltar a ter uma presença mais agressiva no Brasil. O plano da empresa é começar a abrir lojas próprias por aqui a partir de 2025. Hoje os itens de vestuário da marca são vendidos em lojas multimarcas ou por meio de e-commerce.

O projeto prevê a abertura de seis lojas nos próximos três anos e faz parte de um acordo fechado entre o Grupo Garra Jeans, mineiro responsável pela marca Lee no Brasil, e a americana Kontoor Brands, que detém os direitos da marca no mundo. A informação é do jornal Estadão.

Segundo Renato Abras, presidente do Grupo Garra, o objetivo é abrir a primeira unidade em São Paulo no ano que vem, mas já com a ideia de ter pelo menos três até o final do ano.

Antes de começar a produzir no Brasil a calça Lee em 2019, o grupo já era do setor de confecções. Desde 1999 fabrica, por meio de empresas terceirizadas, calças jeans com a sua marca Young Style e vende para lojas multimarcas.

Qual é a história da Lee

Fundada em 1889 no estado do Kansas, nos Estados Unidos, a Lee é uma das marcas de jeans mais antigas do mundo. Ela foi uma das primeiras empresas a colocar zíper na roupa, em 1912. Foi o ano, também, em que seus produtos ganharam escala. Nos anos 1960, a empresa se expandiu para mais de 50 países e em 1969 foi adquirida pela VF Corporation. Nos últimos anos, a empresa perdeu força e foi separada da VF Corporation. Hoje em dia, faz parte da Kontoor Brands. 

Acompanhe tudo sobre:VarejoRoupas

Mais de Negócios

O Brasil ainda não é um consenso para os investidores globais, afirma Bank of America

Em live relâmpago da WePink, Virgínia vende R$ 4,6 milhões em 20 minutos

Quer ser seu próprio chefe? Veja 5 dicas para começar a empreender com segurança

Tem dinheiro para receber na justiça? Esta startup levantou R$ 7,5 milhões para acelerar processos

Mais na Exame