JBS quer expandir na piscicultura após aquisição na Austrália

A gigante brasileira da carne anunciou no ano passado um acordo para adquirir a Huon Aquaculture, com sede na Tasmânia
JBS: O negócio na Austrália é uma primeira experiência (Patrick Hamilton/AFP/Getty Images/Getty Images)
JBS: O negócio na Austrália é uma primeira experiência (Patrick Hamilton/AFP/Getty Images/Getty Images)
B
BloombergPublicado em 01/06/2022 às 12:28.

A JBS, maior produtora de carne do mundo, quer expandir na aquicultura para atender a uma crescente demanda mundial após a compra de uma produtora de salmão australiana por pouco mais de US$ 300 milhões, segundo o chefe das operações no país.

A gigante brasileira da carne anunciou no ano passado um acordo para adquirir a Huon Aquaculture, com sede na Tasmânia, o que trouxe maior escrutínio sobre as práticas de negócios da JBS e a sustentabilidade da criação de salmão. O acordo foi contestado pelo bilionário australiano Andrew Forrest, que tentou acumular uma participação para bloquear o negócio e alertou sobre o histórico da JBS em questões ambientais e de bem-estar animal.

“Nesse processo, tivemos que nos envolver para entender a comunidade na Tasmânia, onde há muito barulho”, disse Brent Eastwood, chefe da JBS na Austrália, em uma conferência em Melbourne. “É um negócio mal compreendido, é muito, muito sustentável, é energeticamente eficiente, não usa muita água doce, não usa muita terra e tudo nele era atraente para nós.”

O negócio na Austrália é uma primeira experiência, disse Eastwood. “Faremos mais na aquicultura à medida que as oportunidades surgirem,” acrescentou.

Mais detalhes da fala de Eastwood:

  • A criação de salmão é um negócio de A$ 1 bilhão (US$ 720 milhões) na Tasmânia.
  • O negócio de salmão decolará de maneira importante, não apenas na Austrália, mas em todo o mundo.
  • Dentro da aquicultura, a JBS também vê oportunidades nos setores de peixes e camarões.

LEIA TAMBÉM: 

JBS: lucro mais do que dobra no 1º tri, mas cai na comparação com o 4T21

JBS compra duas fábricas no Oriente Médio e anuncia CEO para a região