Fim da crise? Madero recontrata e diz que vai abrir 2.700 vagas em 2021

Após demitir 600, rede de restaurantes retoma expansão e pretende abrir 140 unidades até 2021. "Retomamos 100% o investimento", diz Junior Durski

A rede de restaurantes Madero retomou os planos de crescimento traçados antes da pandemia do novo coronavírus. Em abril, a rede recebeu críticas ao demitir 600 pessoas, paralisando todas as obras de novos restaurantes em andamento. Agora, as obras foram retomadas e os funcionários estão sendo readmitidos.

O plano de expansão foi totalmente retomado, segundo Durski. A meta inicial era abrir 65 unidades em 2020. Agora serão 45. Os outros 20 ficarão para 2021. Antes, o objetivo era abrir 75 lojas em 2021, agora serão 95. Para 2022, o plano é abrir mais 85 unidades. “Retomamos 100% o investimento”, disse Junior Durski, presidente do Madero, à EXAME.

Duas unidades já foram inauguradas, uma no Rio de Janeiro, com investimento de 6 milhões de reais, e a outra em São Paulo, com investimento de 5 milhões de reais. O grupo tem hoje mais de 190 restaurantes no Brasil.

Segundo Durski, o Madero ficou no zero a zero em março, teve prejuízo em abril — mês das demissões — e voltou a ter equilíbrio nas contas em maio e junho. “Em junho, quando confirmamos um ponto de equilíbrio liberamos 100% das obras”, diz Durski.

“Faz todo sentido abrir, pois as obras já tinham sido iniciadas, com os devidos contratos de aluguel e já havíamos gasto de 60 a 70% do planejado”, afirmou o empresário.

Os 600 demitidos eram funcionários ligados aos projetos de expansão: engenheiros, arquitetos, funcionários do setor de expansão e as equipes que estavam passando por treinamento para atuar nos novos restaurantes.

Hoje 200 dos funcionários demitidos já foram recontratados. A ideia é readmitir todos os demitidos até o fim do ano. Em 2021, a previsão é contratar mais 2.700 pessoas se o plano de expansão correr como previsto. O grupo tem atualmente 8.000 funcionários.

Ainda que não esteja no vermelho, a empresa sente os efeitos da crise no faturamento. Em junho, vendeu 43% do que venderia em condições normais. Para se reerguer, investiu em delivery, take away (quando o cliente busca o pedido na unidade para comer em outro local) e ações de marketing, com oferta de descontos para compras no delivery. Lançou também um aplicativo próprio.

Durski se envolveu em polêmicas desde o início da crise. A demissão dos 600 funcionários foi uma delas. O empresário também afirmou em vídeo que “não podemos parar por conta de 5 ou 7 mil que vão morrer”.

Em maio, Durski falou a EXAME sobre o tema. “Nunca desmereci o valor de uma vida e não é o que eu acredito. O que eu quis dizer é minha preocupação como empresário é também com a economia e com os milhões de desempregos”, disse.

Na semana passada, o apresentador Luciano Huck vendeu sua participação na empresa. Segundo a EXAME apurou, o valor do acordo, não confirmado pela companhia foi de 100.000 reais.

Os sócios vinham se desentendendo sobre o futuro do Madero há tempos, mas a relação teria azedado com a postura política conflitante.

Huck é um dos possíveis candidatos à presidência em 2022, e tem sido um crítico frequente da postura do presidente Jair Bolsonaro. Durski é apoiador de Bolsonaro e crítico do fechamento da economia com a pandemia do novo coronavírus.

A saída de Huck coloca mais pressão no negócio. Em 2018, o fundo de investimentos Carlyle avaliou a companhia em 3 bilhões de reais num aporte de 700 milhões de reais.

Ano passado, o Madero lançou novas marcas para acelerar sua entrada em novos nichos de mercado, como hambúrgueres mais populares e steaks. E chegou até avaliar a compra do parque de diversões Beto Carrero World.

Agora, no pós-pandemia, a companhia vê sua leva de desafios crescer. As novas marcas, como a Jerônimo, ainda não decolaram. E as lojas do Madero, consideradas caras por executivos do setor, precisarão se readequar a uma nova realidade. A resposta do Madero é reforçar sua aposta na expansão.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Deseja assinar e ter acesso ilimitado?

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.