Acompanhe:
seloNegócios

Fim da crise? Madero recontrata e diz que vai abrir 2.700 vagas em 2021

Após demitir 600, rede de restaurantes retoma expansão e pretende abrir 140 unidades até 2021. "Retomamos 100% o investimento", diz Junior Durski

Modo escuro

Continua após a publicidade
Junior Durski, dono da rede de hamburguerias Madero (Guilherme Pupo/Madero/Divulgação)

Junior Durski, dono da rede de hamburguerias Madero (Guilherme Pupo/Madero/Divulgação)

M
Mariana Desidério

Publicado em 16 de julho de 2020 às, 08h50.

Última atualização em 16 de julho de 2020 às, 12h52.

A rede de restaurantes Madero retomou os planos de crescimento traçados antes da pandemia do novo coronavírus. Em abril, a rede recebeu críticas ao demitir 600 pessoas, paralisando todas as obras de novos restaurantes em andamento. Agora, as obras foram retomadas e os funcionários estão sendo readmitidos.

O plano de expansão foi totalmente retomado, segundo Durski. A meta inicial era abrir 65 unidades em 2020. Agora serão 45. Os outros 20 ficarão para 2021. Antes, o objetivo era abrir 75 lojas em 2021, agora serão 95. Para 2022, o plano é abrir mais 85 unidades. “Retomamos 100% o investimento”, disse Junior Durski, presidente do Madero, à EXAME.

Duas unidades já foram inauguradas, uma no Rio de Janeiro, com investimento de 6 milhões de reais, e a outra em São Paulo, com investimento de 5 milhões de reais. O grupo tem hoje mais de 190 restaurantes no Brasil.

Segundo Durski, o Madero ficou no zero a zero em março, teve prejuízo em abril -- mês das demissões -- e voltou a ter equilíbrio nas contas em maio e junho. “Em junho, quando confirmamos um ponto de equilíbrio liberamos 100% das obras”, diz Durski.

"Faz todo sentido abrir, pois as obras já tinham sido iniciadas, com os devidos contratos de aluguel e já havíamos gasto de 60 a 70% do planejado", afirmou o empresário.

Os 600 demitidos eram funcionários ligados aos projetos de expansão: engenheiros, arquitetos, funcionários do setor de expansão e as equipes que estavam passando por treinamento para atuar nos novos restaurantes.

Hoje 200 dos funcionários demitidos já foram recontratados. A ideia é readmitir todos os demitidos até o fim do ano. Em 2021, a previsão é contratar mais 2.700 pessoas se o plano de expansão correr como previsto. O grupo tem atualmente 8.000 funcionários.

Ainda que não esteja no vermelho, a empresa sente os efeitos da crise no faturamento. Em junho, vendeu 43% do que venderia em condições normais. Para se reerguer, investiu em delivery, take away (quando o cliente busca o pedido na unidade para comer em outro local) e ações de marketing, com oferta de descontos para compras no delivery. Lançou também um aplicativo próprio.

Durski se envolveu em polêmicas desde o início da crise. A demissão dos 600 funcionários foi uma delas. O empresário também afirmou em vídeo que “não podemos parar por conta de 5 ou 7 mil que vão morrer”.

Em maio, Durski falou a EXAME sobre o tema. “Nunca desmereci o valor de uma vida e não é o que eu acredito. O que eu quis dizer é minha preocupação como empresário é também com a economia e com os milhões de desempregos”, disse.

Na semana passada, o apresentador Luciano Huck vendeu sua participação na empresa. Segundo a EXAME apurou, o valor do acordo, não confirmado pela companhia foi de 100.000 reais.

Os sócios vinham se desentendendo sobre o futuro do Madero há tempos, mas a relação teria azedado com a postura política conflitante.

Huck é um dos possíveis candidatos à presidência em 2022, e tem sido um crítico frequente da postura do presidente Jair Bolsonaro. Durski é apoiador de Bolsonaro e crítico do fechamento da economia com a pandemia do novo coronavírus.

A saída de Huck coloca mais pressão no negócio. Em 2018, o fundo de investimentos Carlyle avaliou a companhia em 3 bilhões de reais num aporte de 700 milhões de reais.

Ano passado, o Madero lançou novas marcas para acelerar sua entrada em novos nichos de mercado, como hambúrgueres mais populares e steaks. E chegou até avaliar a compra do parque de diversões Beto Carrero World.

Agora, no pós-pandemia, a companhia vê sua leva de desafios crescer. As novas marcas, como a Jerônimo, ainda não decolaram. E as lojas do Madero, consideradas caras por executivos do setor, precisarão se readequar a uma nova realidade. A resposta do Madero é reforçar sua aposta na expansão.

Últimas Notícias

Ver mais
Nike vai demitir 1.600 funcionários em plano para reduzir custos após vendas fracas
seloNegócios

Nike vai demitir 1.600 funcionários em plano para reduzir custos após vendas fracas

Há uma semana

Moraes vota para permitir demissão de funcionário de estatal sem motivação
Brasil

Moraes vota para permitir demissão de funcionário de estatal sem motivação

Há 2 semanas

Atestado para não trabalhar no carnaval pode render demissão por justa causa?
seloCarreira

Atestado para não trabalhar no carnaval pode render demissão por justa causa?

Há 3 semanas

Snap anuncia redução de 10% no quadro de funcionários
Tecnologia

Snap anuncia redução de 10% no quadro de funcionários

Há 3 semanas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais