Acompanhe:
seloNegócios

Ciro Gomes vai ao Cade contra venda de parte da Embraer à Boeing

Ex-candidato à Presidência alegou abuso de poder econômico e disse que o negócio criará barreiras para entrada de novas empresas no setor

Modo escuro

Continua após a publicidade
Ciro Gomes (Andre Coelho/Bloomberg)

Ciro Gomes (Andre Coelho/Bloomberg)

R
Reuters

Publicado em 29 de outubro de 2019 às, 21h09.

São Paulo — O ex-candidato à Presidência Ciro Gomes (PDT) recorreu nesta terça-feira (29) ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) contra a venda do controle da divisão de aviação comercial da Embraer à norte-americana Boeing sob alegação de abuso de poder econômico e de que o negócio entre as duas companhias criará barreiras para entrada de novas empresas no setor aeroespacial.

Ciro, que ficou na terceira posição na eleição presidencial do ano passado --atrás do agora presidente Jair Bolsonaro e do petista Fernando Haddad —, criticou duramente na campanha eleitoral da venda da Embraer à Boeing, que precisou da aprovação do governo brasileiro, já que a União poderia vetar a transação por causa de uma "golden share".

De acordo com o documento, entregue pessoalmente por Ciro ao presidente do Cade, Alexandre Barreto de Souza, a compra da brasileira pela norte-americana "inevitavelmente elevará as companhias a uma posição dominante no já concentrado mercado aeroespacial, de modo a reduzir significativamente a concorrência".

A representação, assinada pelo ex-presidenciável pedetista junto a outros sete advogados que representam o PDT e o presidente da legenda, Carlos Lupi, pede que o Cade instaure um inquérito administrativo para apurar eventuais infrações na transação entre as duas fabricantes de aeronaves.

O PDT também entrou neste mês com uma Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) no Supremo Tribunal Federal (STF) contra a venda da Embraer para a Boeing, com pedido de liminar para suspender o negócio.

A ação do PDT cita que o negócio viola o princípio da soberania nacional e critica o não uso do poder de veto da União ao negócio por parte do governo de Bolsonaro, por ocasião da assembleia de acionistas da fabricante brasileira realizada no final de fevereiro. A própria realização da assembleia que aprovou a operação é alvo de pedido de nulidade na ação.

O relator da ação na corte, ministro Luís Roberto Barroso, deu na quinta-feira da última semana prazo de 10 dias para que o governo do presidente Jair Bolsonaro se manifeste sobre o pedido do PDT.

O acordo entre a Embraer e a Boeing foi anunciado em meados do ano passado e envolve também uma parceria das duas empresas para venda do cargueiro nacional KC-390.

Boeing e Embraer esperavam selar o negócio até o final deste ano, mas a União Europeia decidiu este mês fazer uma análise aprofundada dos impactos da operação na concorrência, estabelecendo prazo para uma decisão em 20 de fevereiro.

Últimas Notícias

Ver mais
Lula indica Alexandre Barreto para recondução ao cargo de superintendente-geral do Cade
Brasil

Lula indica Alexandre Barreto para recondução ao cargo de superintendente-geral do Cade

Há 2 dias

Esta empresa decolou e suas ações dispararam mais de 36%  em março; veja as maiores altas do mês
seloMercados

Esta empresa decolou e suas ações dispararam mais de 36% em março; veja as maiores altas do mês

Há 6 dias

Fusão Arezzo-Soma, JBS e a fraqueza do yen japonês: 3 assuntos que movem o mercado
seloMercados

Fusão Arezzo-Soma, JBS e a fraqueza do yen japonês: 3 assuntos que movem o mercado

Há uma semana

Em meio à crise, CEO da Boeing anuncia que deixará o cargo até o final de 2024
seloMercados

Em meio à crise, CEO da Boeing anuncia que deixará o cargo até o final de 2024

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais