Alexandre Birman assume a presidência da Arezzo

Anderson Birman, fundador da empresa, passou o cargo para o filho Alexandre, de 36 anos, e começou a se concentrar apenas na presidência do conselho da companhia


	Arezzo: para continuar crescendo em ritmo acelerado, o novo presidente aposta na expansão da marca Schutz, que hoje representa 33% da receita do grupo
 (Priscila Zambotto/Viagem e Turismo)

Arezzo: para continuar crescendo em ritmo acelerado, o novo presidente aposta na expansão da marca Schutz, que hoje representa 33% da receita do grupo (Priscila Zambotto/Viagem e Turismo)

DR

Da Redação

Publicado em 25 de março de 2013 às 10h25.

São Paulo - Após quase quarenta anos à frente da empresa que criou, Anderson Birman, fundador da Arezzo, é direto ao descrever como foi seu último dia como presidente. "Levei minhas coisinhas, não tenho mais nada lá. Liberei a sala e o poder"”, diz.

No início do mês, aos 59 anos, ele passou o cargo para o filho Alexandre, de 36 anos, e começou a se concentrar apenas na presidência do conselho da companhia.

A data marca o início de um novo ciclo em uma empresa habituada a mudanças. Nos anos 90, a Arezzo fez sua primeira virada, ao deixar de ser uma indústria de sapatos para se transformar na maior rede varejista de calçados femininos da América Latina.

Em 2007, vendeu 25% do seu capital a um fundo de investimentos e, quatro anos depois, estreou na bolsa de valores.

"Agora, com a troca de comando, a empresa prepara-se para ganhar mais agilidade", diz Anderson.

“Hoje a velocidade é o principal atributo num ambiente competitivo. E o Alexandre tem condições de responder muito mais rapidamente ao mercado.”

Prova disso, diz o executivo, foi a criação da nova ‘arquitetura’ das lojas da Arezzo.

Ele havia tentado por cinco anos concluir esse projeto, mas saiu da presidência sem conseguir entregá-lo.

Alexandre, por sua vez, fez o trabalho em meses e inaugurou a primeira nova loja na semana passada, no shopping Iguatemi.


O sucesso da companhia até agora é, portanto, o maior desafio que Alexandre terá de enfrentar. Nos últimos anos, a empresa exibiu um crescimento anual da receita de pelo menos 20%.

Negociados na BM&FBovespa desde fevereiro de 2011, os papéis da Arezzo subiram 118,5% - contra uma queda de quase 20% do Ibovespa até agora. Hoje, a empresa tem um valor de mercado de R$ 3,6 bilhões.

Para continuar crescendo nesse ritmo, Alexandre aposta em certas linhas de ação. Primeiro, continuar a expansão da marca Schutz, que hoje representa 33% da receita do grupo, atrás da Arezzo, com 62%.

Segundo, aumentar o tamanho das lojas da Arezzo e fortalecer a presença da marca nas lojas multimarcas. O e-commerce também é uma estratégia para o crescimento. “

As vendas online da Schutz triplicam ano a ano e já representam o dobro do faturamento da maior loja física. A ideia é expandir o modelo para o restante das marcas”, explica Alexandre.

Por fim, o novo presidente pretende trabalhar a marca AnaCapri, de sapatos flat (sem salto), ainda em estágio experimental.

Mais de Negócios

Depois de vender uma foto por US$ 3,6 milhões, esse carioca cria novo negócio: um banco no WhatsApp

Mercado de bubble tea dá origem a bilionários na China

Cartão de crédito consignado: o que é, como funciona e quem pode contratar

O coworking que eles criaram na garagem de casa supera a pandemia, faz R$ 10 milhões e vai expandir

Mais na Exame