Mundo
Acompanhe:

Xi Jinping pede ao Conselho Europeu negociações sobre a Ucrânia

Líder chinês teria dito que "resolver a crise ucraniana" é de "interesse comum de todos os países da Eurásia"

 (Justin Chin/Getty Images)

(Justin Chin/Getty Images)

E
Estadão Conteúdo

1 de dezembro de 2022, 14h23

O líder chinês, Xi Jinping, pediu negociações sobre uma solução política para o conflito na Ucrânia em conversas nesta quinta-feira, 1, com o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, em Pequim, informou a emissora estatal CCTV.

Xi foi citado como tendo dito que "resolver a crise ucraniana por meios políticos é do melhor interesse da Europa e do interesse comum de todos os países da Eurásia". A China fez tais declarações repetidamente no passado, recusando-se a condenar a invasão da Rússia e criticando as sanções contra Moscou.

Quer receber os fatos mais relevantes do Brasil e do mundo direto no seu e-mail toda manhã? Clique aqui e cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

Semanas antes da invasão, Xi Jinping e o líder russo, Vladimir Putin, afirmaram que não havia limites em seu relacionamento. Pequim intensificou as compras de petróleo da Rússia enquanto suas forças aéreas realizavam exercícios conjuntos naquela semana.

Um porta-voz de Michel disse que sublinhou que a UE está contando com a China, como membro permanente do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas, para pedir à Rússia que respeite os princípios fundamentais da Carta da ONU e contribuir para acabar com a brutal destruição e ocupação da Rússia.

Funcionários da UE disseram que a visita de um dia de Michel visa buscar um equilíbrio entre o desejo da UE de mais exportações para a China e a necessidade de ser firme com Pequim na defesa da democracia e das liberdades fundamentais. Nos últimos anos, à medida que a China aumentou sua influência global, a UE passou a ver cada vez mais a nação como um rival estratégico.