Mundo

"Sem mim, Mandela não teria existido", diz Winnie Mandela

Ex-esposa do presidente sul-africano destacou em entrevista a importância que teve na vida do líder anti-apartheid

Winnie Madikizela-Mandela é vista em 14 de dezembro de 2013 durante o funeral de Nelson Mandela, em Pretória
 (Stephane de Sakutin/AFP)

Winnie Madikizela-Mandela é vista em 14 de dezembro de 2013 durante o funeral de Nelson Mandela, em Pretória (Stephane de Sakutin/AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 26 de janeiro de 2014 às 10h27.

Paris - Winnie Madikizela-Mandela, ex-esposa do ex-presidente sul-africano falecido em dezembro, destacou a importância que teve na vida do líder anti-apartheid em entrevista concedida ao jornal francês Le Journal du Dimanche.

"Se eu não tivesse lutado, Mandela não teria existido, o mundo inteiro o teria esquecido e ele teria morrido na prisão como queriam as pessoas que o prenderam", afirmou Winnie.

Sobre sua atuação durante os 27 anos de prisão de Winnie, de 77 anos, explicou que se expôs por vontade própria à violência do regime segregacionista sul-africano.

"O que fiz deliberadamente foi manter vivo o nome de Mandela e de seus companheiros de prisão. Para alimentar a luta, tinha de me expor à violência e à brutalidade do apartheid", afirmou.

"Eles, na prisão, nunca foram torturados como nós fomos", acrescentou.

"Ele era livre para acreditar na paz e nós, que sofríamos a violência do apartheid, não estávamos tão à vontade com esta noção", explicou ainda, dizendo que para que lutava fora da prisão "não restou outra opção a não ser responder à violência com violência".

Sobre os anos de Mandela no poder (1994 a 1999), Winnie se mostra ainda mais severa. "Ao longo desses últimos vinte anos, vimos que os valores que Mandela encarnava eram difíceis de se ancorar na realidade". Como exemplo, citou a "juventude deste país sem trabalho, uma verdadeira bomba-relógio".

"É o resultado desta negociação com o poder há 20 anos que não leva em consideração a indispensável liberação econômica. A riqueza deste país continua nas mãos de uma minoria", lamentou.

Winnie e Nelson Mandela se divorciaram em 1996, dois anos depois que ele virou o primeiro presidente negro do país.

Ele se casaram em 1958, seis anos de ele ser condenado à prisão perpétua pelo regime de minoria branca.

Durante os 27 anos de prisão de Mandela, Winnie continuou com o combate, passou pela prisão, prisões domiciliares, confinamentos em uma localidade afastada de todos.

Em 1991, foi condenado por cumplicidade no sequestro de um jovem militante à pena de prisão comutada por uma multa.

Também foi condenada por fraude em 2003.

Acompanhe tudo sobre:ÁfricaÁfrica do SulNelson MandelaPolíticos

Mais de Mundo

Primeira viagem de Milei à Espanha como presidente não terá honras militares e coletiva de imprensa

Suprema Corte dos EUA confirma proibição de posse de armas a agressores domésticos

Tribunal impõe penas de prisão à família mais rica do Reino Unido por exploração de funcionários

Dez prefeitos da oposição na Venezuela são inabilitados por 15 anos após apoio a Edmundo González

Mais na Exame