Acompanhe:

O isolamento venezuelano

A Venezuela está só. No próximo dia 12, deveria assumir a presidência do Mercosul, seguindo a rotatividade natural do bloco, mas seus vizinhos, especialmente o Paraguai, tentam impedir sua posse. A resposta do presidente Nicolás Maduro é reforçar o discurso de que é vítima de um complô internacional, e afundar ainda mais o pé no populismo […]

Modo escuro

Continua após a publicidade
NICOLÁS MADURO: 80% da população quer a saída do presidente ainda este ano / Carlos Garcia Rawlins/Reuters (Carlos Garcia Rawlins/Reuters)

NICOLÁS MADURO: 80% da população quer a saída do presidente ainda este ano / Carlos Garcia Rawlins/Reuters (Carlos Garcia Rawlins/Reuters)

D
Da Redação

Publicado em 7 de julho de 2016 às, 18h37.

Última atualização em 23 de junho de 2017 às, 18h57.

A Venezuela está só. No próximo dia 12, deveria assumir a presidência do Mercosul, seguindo a rotatividade natural do bloco, mas seus vizinhos, especialmente o Paraguai, tentam impedir sua posse. A resposta do presidente Nicolás Maduro é reforçar o discurso de que é vítima de um complô internacional, e afundar ainda mais o pé no populismo e no autoritarismo.

Só esta semana, Maduro decretou o fim do racionamento de energia elétrica e anunciou um projeto de parlamentarismo social, com militantes da esquerda construindo grupos de diálogo nas comunidades. Apresentou 400 recursos contra o abaixo-assinado que pede a sua revogação de seu mandado. Ainda clamou pela retomada do parlamento, que tem maioria da oposição, e falou em aumentar o poder militar na Venezuela.

O ministro de Relações Exteriores José Serra, em junho, afirmou que a Venezuela é um país amigo, mas se reuniu com o governador do estado de Miranda, Henrique Capriles, líder da oposição e favorito nas próximas eleições presidenciais. O secretário de estado americano, John Kerry, visitou o país no mês passado e defendeu a realização de um referendo justo (mas defendeu a permanência da Venezuela no Mercosul). Pesquisa do instituto Datanálisis mostra que 80% da população quer a saída de Maduro ainda em 2016.

Relações políticas à parte, a economia por si só já justificaria tamanha rejeição. Este ano, o país deve ter queda de 8% no PIB. A inflação, em total descontrole, deve fechar em 720% e, de acordo com o FMI, pode chegar a 4.600% até 2021. A crise no preço do petróleo quebrou o país, que tem na exportação do combustível sua principal fonte de renda. E a crise hídrica quebrou a indústria, interrompendo o fornecimento de energia elétrica. Para Maduro, a saída é ser ainda mais Maduro. Pior para os venezuelanos.

Últimas Notícias

Ver mais
Receita paga 1º lote de restituição do IR 2023 nesta quarta; veja quem recebe
seloMinhas Finanças

Receita paga 1º lote de restituição do IR 2023 nesta quarta; veja quem recebe

Há 10 meses

PIS/Pasep: Caixa paga abono salarial para novo grupo nesta segunda-feira
seloMinhas Finanças

PIS/Pasep: Caixa paga abono salarial para novo grupo nesta segunda-feira

Há 10 meses

Quer receber a restituição do IR no primeiro lote? Declaração deve ser enviada até esta quarta-feira
seloMinhas Finanças

Quer receber a restituição do IR no primeiro lote? Declaração deve ser enviada até esta quarta-feira

Há 10 meses

Consumo anual alimentício da classe C movimenta R$ 345,6 bilhões, segundo o Instituto Locomotiva
ESG

Consumo anual alimentício da classe C movimenta R$ 345,6 bilhões, segundo o Instituto Locomotiva

Há 11 meses

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais