Acompanhe:

O governo da Venezuela acusou nesta quarta-feira, 6, o presidente da Guiana, Irfaan Ali, de dar "luz verde" a bases militares dos Estados Unidos em Essequibo, território rico em petróleo, o qual disputa com seu vizinho.

"De maneira irresponsável deu luz verde à presença do Comando Sul dos Estados Unidos no território de Guiana Essequiba, sobre o qual Guiana mantém uma ocupação de fato", indicou em referência a Ali um comunicado divulgado pela Chancelaria, que "condenou" declarações feitas na noite de terça-feira pelo governo de Guiana.

"Venezuela denuncia ante a comunidade internacional, e especialmente ante a Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos (Celac), a atitude imprudente de Guiana, que atuando sob o mandato da transnacional americana Exxon Mobil, está abrindo a possibilidade de instalação de bases militares a uma potencia imperial", acrescentou o documento.

Ali considerou uma "ameaça direta" o anúncio de terça-feira feito por seu colega da Venezuela, Nicolás Maduro, sobre a criação de uma província venezuelana em Essequibo e a decisão de que a estatal petroleira venezuelana PDVSA conceda licenças para a exploração de petróleo, gás e minerais nesta região de 160.000 km2, administrada por Georgetown.

O presidente guianense anunciou que recorrerá ao "Conselho de Segurança das Nações Unidas para que esse organismo tome as medidas apropriadas" e que estabeleceu comunicação com "aliados bilaterais" como Estados Unidos, Brasil, Reino Unido e França.

"A Força de Defesa de Guiana está em alerta máximo e se colocou em contato com sua homólogos militares, incluindo o Comando Sul dos Estados Unidos", disse Ali.

Venezuela sustenta que Essequibo faz parte de seu território, como em 1777 quando era colônia de Espanha, e apela ao Acordo de Genebra, firmado em 1966 antes da independência da Guiana do Reino Unido, que marcou as bases para uma solução negociada e anulou uma decisão de 1899 que definiu os limites atuais.

Guiana defende essa decisão e pede que seja ratificada pela Corte Internacional de Justiça (CIJ), cuja jurisdição Caracas não reconhece.

"Venezuela (...) insta o governo de Guiana a desistir de sua equivocada, ameaçadora e arriscada conduta e a retomar o caminho do diálogo direto, através do Acordo de Genebra", pediu o comunicado da Chancelaria venezuelana.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
TPI rejeita recurso da Venezuela contra reabertura de investigação sobre repressão de protestos
Mundo

TPI rejeita recurso da Venezuela contra reabertura de investigação sobre repressão de protestos

Há um dia

Lula: Vou encontrar Maduro na Celac, mas não pretendo discutir Essequibo
Brasil

Lula: Vou encontrar Maduro na Celac, mas não pretendo discutir Essequibo

Há 2 dias

Lula encontra presidente da Guiana e embarca para São Vicente e Granadinas
Brasil

Lula encontra presidente da Guiana e embarca para São Vicente e Granadinas

Há 2 dias

Lula deve abordar crise entre Guiana e Venezuela na viagem ao Caribe
Brasil

Lula deve abordar crise entre Guiana e Venezuela na viagem ao Caribe

Há 5 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais