Mundo

Trump: Supremacistas brancos, KKK e neonazistas são repugnantes

Depois de críticas por não ter mencionados grupos racistas diretamente durante os ataques em Charlottesville, o presidente americano se pronuncia

Nacionalistas brancos realizam marcha com tochas na cidade de Charlottesville, na Virgínia, dia 11/08/207 (Alejandro Alvarez/Reuters)

Nacionalistas brancos realizam marcha com tochas na cidade de Charlottesville, na Virgínia, dia 11/08/207 (Alejandro Alvarez/Reuters)

Gabriela Ruic

Gabriela Ruic

Publicado em 14 de agosto de 2017 às 14h04.

Última atualização em 14 de agosto de 2017 às 15h36.

São Paulo – Depois da pressão por não ter mencionado a atuação de membros do grupo Ku Klux Klan e neonazistas nos ataques durante uma marcha racista na cidade de Charlottesville, no estado da Virgínia, Donald Trump finalmente veio à público para citá-los expressamente.

“O Racismo é perverso – e todos aqueles que causam violência em seu nome são criminosos, incluindo os membros da KKK (Ku Klux Klan, antiga organização racista americana), neonazistas e supremacistas brancos e qualquer outro grupo de ódio, são repugnantes e vão contra o que defendemos como americanos”, disse o presidente americano em pronunciamento feito ao vivo nos Estados Unidos.

“Para todos que agiram de forma criminosa neste final de semana de violência racista: vocês serão responsabilizados. A Justiça será feita. Racismo não tem lugar nos Estados Unidos”, continuou o republicano.

Violência em Charlottesville

No último sábado, uma manifestação conduzida por supremacistas brancos terminou em violência com opositores. A situação se tornou ainda mais caótica depois que um homem atropelou um grupo de pessoas contrárias à marcha, matando uma mulher. Ao todo, os confrontos deixaram 3 mortos e 20 feridos.

A manifestação se chamava “Unir a Direita” e foi organizada como forma de protesto à retirada de uma estátua em homenagem ao general confederado Robert E. Lee, que liderou as forças sulistas durante a Guerra Civil americana.

Na ocasião, Trump se pronunciou condenando os fatos ocorridos, mas não citou os grupos diretamente, fazendo com que sofresse críticas por todos os lados, republicanos e democratas, de que estaria sendo leniente com movimentos extremistas.

Acompanhe tudo sobre:Donald TrumpEstados Unidos (EUA)Racismo

Mais de Mundo

Câmara baixa do Arizona aprova revogação de lei do século XIX que veta aborto em todos os casos

Premiê da Espanha enfrenta crise política após sua mulher ser investigada por corrupção

TikTok diz que recorrerá à Justiça após lei que pode proibi-lo nos EUA

EUA promete enviar ajuda militar à Ucrânia 'nas próximas horas'

Mais na Exame