Mundo

Trump espera vitória arrasadora contra Haley nas primárias da Carolina do Sul

As primárias republicanas acontecem neste sábado na Carolina do Sul, estado natal de Nikki Haley

Donald Trump, durante comício em Laconia, New Hampshire (Timothy Clary/AFP)

Donald Trump, durante comício em Laconia, New Hampshire (Timothy Clary/AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 24 de fevereiro de 2024 às 09h29.

Trump espera vencer por ampla margem as primárias republicanas deste sábado (24) na Carolina do Sul, estado natal de Nikki Haley, uma etapa crucial na disputa do partido pela candidatura à Casa Branca.

"Precisamos do seu voto para salvar os Estados Unidos", afirmou o ex-presidente para mobilizar os eleitores do estado do sudeste do país.

Apesar de seus problemas jurídicos, Donald Trump, 77 anos, é o grande favorito na corrida pela indicação republicana, que designará o candidato para as eleições presidenciais de novembro.

O empresário venceu as três primárias já organizadas pelo partido e vários rivais desistiram da disputa.

Nikki Haley, 52 anos, é a única que continua no caminho de Trump.

"Nova geração"

A premissa de Haley é simples: "Não sobreviveremos a mais quatro anos de caos de Trump".

Com o discurso, ela espera convencer os eleitores a optar uma "nova geração de líderes conservadores".

Depois de Iowa, New Hampshire e Nevada, o duelo chega a Carolina do Sul, estado do qual Nikki Haley foi governadora durante seis anos.

Ela tem alguma chance de vencer quando as pesquisas a mostram quase 30 pontos atrás de Donald Trump? A resposta será conhecida neste sábado.

Os locais de votação abriram as portas às 7H00 (9H00 de Brasília), mas dezenas de milhares de pessoas optaram pelo voto antecipado nos últimos dias.

Reinaldo Chacón, 64 anos, foi um deles e disse que optou por Donald Trump sem hesitar, por considerá-lo "o homem" para o cargo. Também declarou que admira a "liderança" do ex-presidente.

David Gilliam, 55 anos, preferiu Nikki Haley, que considera ter mais capacidade para curar as feridas de um país "dividido".

Os primeiros resultados serão anunciados às 19H00 locais (21H00 de Brasília).

"Superterça"

As primárias de sábado têm muito em jogo.

"Se Trump conseguir derrotar a ex-governadora Nikki Haley no seu estado natal, isto provavelmente o tornaria um candidato quase certo à nomeação do Partido Republicano", explica David Darmofal, cientista político da Universidade da Carolina do Sul.

Apesar das dificuldades, Haley descartou a possibilidade de desistir da disputa após as primárias da Carolina do Sul porque "seria a saída fácil".

Depois das primárias de sábado, Trump e Haley devem ter uma nova disputa na terça-feira, no Michigan.

Os republicanos de Idaho e Missouri votarão em 2 de março, dois dias antes dos eleitores de Dakota do Norte. Mas a data mais importante do calendário político é 5 de março, quando acontecerá a famosa Superterça.

Na data, 15 estados, incluindo Texas, Califórnia, Colorado e Virgínia, comparecerão às urnas para o grande dia das primárias.

Em tese, as primárias podem prosseguir até julho, mas a equipe de Donald Trump prevê uma vitória no mais tardar em 19 de março.

Trump quer iniciar o mais rápido possível a campanha para a revanche contra Joe Biden, o presidente democrata que disputa a reeleição, antes de ser envolvido nos julgamentos em série que o obrigarão a alternar comícios e tribunais.

O primeiro julgamento criminal de Trump começará em 25 de março.

Acompanhe tudo sobre:Eleições americanasDonald Trump

Mais de Mundo

Câmara baixa do Arizona aprova revogação de lei do século XIX que veta aborto em todos os casos

Premiê da Espanha enfrenta crise política após sua mulher ser investigada por corrupção

TikTok diz que recorrerá à Justiça após lei que pode proibi-lo nos EUA

EUA promete enviar ajuda militar à Ucrânia 'nas próximas horas'

Mais na Exame