Mundo

Transporte, saúde e bancos param em greve geral no Uruguai

Primeira greve geral de 2018 foi convocada pela central sindical do país em protesto por casos de violência recentes

Uruguai: convocação de greve foi feita para as 14h locais (15h em Brasília), mas os sindicatos vão aderir em diferentes momentos do dia (Wavebreakmedia Ltd/Thinkstock)

Uruguai: convocação de greve foi feita para as 14h locais (15h em Brasília), mas os sindicatos vão aderir em diferentes momentos do dia (Wavebreakmedia Ltd/Thinkstock)

E

EFE

Publicado em 9 de janeiro de 2018 às 13h02.

Última atualização em 9 de janeiro de 2018 às 13h02.

Montevidéu - O transporte, a saúde, os bancos e os funcionários públicos do Uruguai paralisarão nesta terça-feira suas atividades ao aderirem à primeira greve geral de 2018 convocada pela central sindical do país, PIT-CNT, em protesto por casos de violência recentes.

Segundo um comunicado da central sindical, a greve de hoje é um pedido de luto e reflexão por causa dos assassinatos de um policial, um motorista de táxi, um caminhoneiro e dois feminicídios, todos eles entre os últimos dias de 2017 e os primeiros deste ano.

"Esta greve por si só não vai resolver a violência no Uruguai, mas sentimos a necessidade de dar uma resposta imediata, o Movimento Sindical é sensível ao que está acontecendo com a sociedade", afirmou o PIT-CNT.

A convocação de greve foi feita para as 14h locais (15h em Brasília), mas os sindicatos vão aderir em diferentes momentos do dia.

A Federação de Funcionários de Saúde Pública (FFSS, na sigla em espanhol), paralisará suas atividades a partir do meio-dia e até a meia-noite (entre 13h de hoje e 1h de quarta-feira em Brasília) e a Associação de Bancários do Uruguai (Aebu) informou que o banco oficial interromperá as suas atividades a partir das 15h locais (16h em Brasília), enquanto que os bancos privados o farão a partir das 16h (17h em Brasília).

A União Nacional de Operários e Trabalhadores de Transporte (Unott) anunciou que os serviços de transporte entre as províncias e alguns trajetos urbanos do interior do país (fora de Montevidéu) farão uma paralisação de 24 horas, enquanto o serviço de ônibus na capital vai aderir à jornada de reflexão, mas continuará com as suas atividades de maneira normal.

Por sua vez, o sindicato de taxistas e telefonistas (Suatt) e a Administração Central e Serviços Descentralizados (Cofe) interromperão suas atividades a partir das 14h locais (15h em Brasília).

Acompanhe tudo sobre:GrevesProtestos no mundoUruguai

Mais de Mundo

Com margem estreita, Milei tenta aprovar pacote de reformas no Senado argentino

Às vésperas do G7, EUA anuncia mais sanções contra Rússia pela guerra na Ucrânia

Gorjetas no exterior: dicas para viajar sem estresse

Milei retira Aerolíneas e Correios de lista de privatizações para tentar aprovar Lei de Bases

Mais na Exame