Acompanhe:

Transnístria, região separatista da Moldávia, pede 'proteção' da Rússia

A Transnístria, onde vivem "mais de 220 mil cidadãos russos", enfrenta "ameaças sem precedentes de natureza econômica, sócio-humanitária e político-militar", segundo o comunicado

Modo escuro

Continua após a publicidade
Após o colapso da União Soviética, esta região de língua russa proclamou a sua secessão e travou uma curta guerra contra o Exército moldavo em 1992 (Divulgação/Getty Images)

Após o colapso da União Soviética, esta região de língua russa proclamou a sua secessão e travou uma curta guerra contra o Exército moldavo em 1992 (Divulgação/Getty Images)

As autoridades da Transnístria, região separatista pró-Rússia da Moldávia, pediram nesta quarta-feira, 2, a "proteção" da Rússia contra uma suposta "pressão" exercida pelo governo moldavo, acentuando a tensão em uma região já afetada pela invasão russa da Ucrânia.

Pouco depois, Moscou afirmou que "proteger" os "compatriotas" da Transnístria é uma de suas "prioridades" e que iria "examinar com atenção" o pedido para aquela região de 4.160 km2 que se estende entre a margem oriental do rio Dniester e a Ucrânia.

Os deputados da Transnístria adotaram em Tiraspol, a principal cidade deste enclave de 4.160 km2 localizado entre a Moldávia e a Ucrânia, uma declaração apelando a Moscou para "implementar medidas para proteger a Transnístria face à pressão reforçada da Moldávia", que tinha adotado medidas de retaliação econômica contra os separatistas.

A Transnístria, onde vivem "mais de 220 mil cidadãos russos", enfrenta "ameaças sem precedentes de natureza econômica, sócio-humanitária e político-militar", segundo o comunicado.

O ministro das Relações Exteriores dos separatistas, Vitali Ignatiev, disse à televisão russa Rossiya 24 que se tratava "inicialmente de um pedido de apoio diplomático'.

O primeiro-ministro polonês, Donald Tusk, afirmou que "a ameaça de intervenção russa, ou pelo menos de provocação, é permanente", e considerou que as tensões na Moldávia são "perigosas" para a região "e não apenas para a Ucrânia".

A petição desta quarta-feira lembra a lançada pelos separatistas pró-Rússia no leste da Ucrânia em fevereiro de 2022, que foi um dos pretextos usados pelo presidente Vladimir Putin para lançar o seu ataque em grande escala contra a Ucrânia.

O presidente ucraniano, Volodimir Zelensky, voltou a pedir nesta quarta-feira à comunidade internacional, durante uma reunião com os líderes dos Bálcãs na Albânia, que acelere a entrega de armas e munições para travar os avanços russos das últimas semanas no leste do seu país.

1.500 militares russos em Transnístria

Os deputados separatistas afirmaram que pretendiam adotar medidas urgentes contra a recente imposição de tarifas aprovadas pela Moldávia sobre produtos da Transnístria.

Em 2006, em um referendo na Transnístria que não foi reconhecido pela comunidade internacional, 97% dos eleitores declararam-se a favor da independência e da união do território com a Rússia.

Após o colapso da União Soviética, esta região de língua russa proclamou a sua secessão e travou uma curta guerra contra o Exército moldavo em 1992.

Desde então, a Rússia mantém naquele estreito território de 465 mil habitantes uma presença oficial de 1.500 militares em missão de paz.

Outro ponto quente na Europa

Desde o início da operação russa na Ucrânia, multiplicam-se as especulações sobre um possível ataque russo da Transnístria contra a cidade ucraniana vizinha de Odessa, nas margens do Mar Negro.

Os separatistas da Transnístria acusam a Ucrânia de querer atacar o território e de ter preparado um ataque frustrado contra os seus líderes.

Também pediram à OSCE, ao Parlamento Europeu, à Cruz Vermelha e à ONU que evitem "provocações" que possam levar a "uma escalada das tensões".

A Moldávia e a União Europeia acusam regularmente Moscou de querer desestabilizar essa antiga república soviética, agora com uma liderança firmemente pró-europeia.

Em dezembro de 2023, a União Europeia decidiu abrir negociações de adesão tanto com a Ucrânia como com a Moldávia.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Rússia ataca Ucrânia com mais de 40 drones e 40 mísseis, denuncia presidente Ucraniano
Mundo

Rússia ataca Ucrânia com mais de 40 drones e 40 mísseis, denuncia presidente Ucraniano

Há 9 horas

Chanceler britânico pede nos EUA que congressistas aprovem ajuda à Ucrânia
Mundo

Chanceler britânico pede nos EUA que congressistas aprovem ajuda à Ucrânia

Há um dia

AIEA convoca reunião extraordinária sobre central nuclear ucraniana
Mundo

AIEA convoca reunião extraordinária sobre central nuclear ucraniana

Há um dia

Ataques russos danificam 80% das usinas termelétricas ucranianas
Mundo

Ataques russos danificam 80% das usinas termelétricas ucranianas

Há 3 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais