Mundo

Tailândia anuncia que vai proibir uso recreativo da maconha

País retirou substância da lista de narcóticos proibidos em 2022 e vive embate sobre liberação

 (Simona Granati/Getty Images)

(Simona Granati/Getty Images)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 6 de fevereiro de 2024 às 10h14.

O governo da Tailândia pretende aprovar com caráter de urgência uma lei para proibir o uso recreativo da maconha, quase dois anos depois de descriminalizar o uso da substância, informou o ministro da Saúde. O governo anterior, que contava em sua coligação com um partido pró-legalização, retirou em junho de 2022 a maconha da lista de narcóticos proibidos.

Desde então, centenas de negócios de venda de cannabis proliferaram de forma descontrolada no país, em particular na capital Bangkok, onde é possível comprar maconha com vendedores ambulantes. O fenômeno gerou críticas de alguns setores, que desejam uma legislação mais rigorosa.

O ministro Chonlanan Srikaew afirmou que a nova lei para proibir o uso recreativo de maconha será apresentada na próxima semana.

— A nova lei vai alterar a atual para permitir o uso de cannabis apenas com fins de saúde e medicinais — disse o ministro. — O uso recreativo será considerado incorreto.

O primeiro-ministro Srettha Thavisin, que assumiu o cargo em agosto, declarou diversas vezes que é contrário ao uso recreativo do narcótico.

O debate ressurgiu no fim de semana passado, depois que espectadores de um show em Bangkok da banda britânica Coldplay reclamaram nas redes sociais que "todo o show tinha cheiro de maconha".

Indústria da maconha

A Tailândia já teve leis severas em relação à droga. No entanto, com a liberação em junho de 2022, uma indústria nacional apareceu da noite para o dia, especialmente nas zonas turísticas. Menos de um ano depois, havia cerca de 12 mil produtores registrados – segundo algumas estimativas, mais do que nos Estados Unidos.

Um atrativo óbvio para os investidores é que a indústria tailandesa da cannabis combina perfeitamente com uma fonte principal de clientes: os turistas, que já chegaram a quase 40 milhões anualmente antes da pandemia. Produtores afirmam que o grupo é o principal consumidor.

No entanto, a legislação tailandesa ainda não aprovou uma lei para esclarecer os limites jurídicos, mantendo a indústria em um limbo regulamentar. Todas as vendas ainda são tecnicamente para fins médicos, mesmo que a cannabis seja amplamente utilizada na prática como droga para festas, e as importações ilegais tenham se tornado tão comuns que algumas lojas as anunciam abertamente.

Acompanhe tudo sobre:MaconhaTailândia

Mais de Mundo

"Portugal deve pagar pela escravidão", diz presidente do país

Senado dos EUA aprova pacote de ajuda de US$ 95 bi para Ucrânia, Israel e Taiwan

Maduro anuncia reabertura de escritório de Direitos Humanos da ONU na Venezuela

Suprema Corte dos EUA analisa se Trump dispõe de imunidade presidencial

Mais na Exame