Mundo

Sobe para 27 os mortos em explosão de petroquímica no México

Mais três corpos foram achados durante a inspeção de uma área da fábrica Clorados 3, do complexo situado no porto de Coatzacoalcos


	Explosão: o diretor afirmou que até agora 14 corpos foram identificados e entregues aos parentes
 (Angel Hernandez / Reuters)

Explosão: o diretor afirmou que até agora 14 corpos foram identificados e entregues aos parentes (Angel Hernandez / Reuters)

DR

Da Redação

Publicado em 22 de abril de 2016 às 18h20.

Coatzacoalcos - O número de trabalhadores mortos por causa da explosão ocorrida em um complexo petroquímico no estado mexicano de Veracruz subiu para 27 nas últimas horas, informaram fontes do setor petroleiro nesta sexta-feira.

As fontes detalharam à Efe que mais três corpos foram achados durante a inspeção de uma área da fábrica Clorados 3, do complexo situado no porto de Coatzacoalcos, que não tinha sido revistada antes.

O diretor-geral da empresa estatal Petróleos Mexicanos (Pemex), José Antonio González, aumentou na noite da quinta-feira para 24 o número de vítimas e detalhou que 19 pessoas permaneciam hospitalizadas, 13 delas em estado grave.

O encarregado da diretoria de Transformação Industrial da Pemex, Jorge Martínez, considerou possível encontrar mais corpos no lugar do acidente porque os grupos de resgate ainda não conseguiram acessar uma área do terceiro andar da fábrica devido a graves danos na estrutura.

Em declarações à "Rádio Fórmula", Martínez disse que até esta manhã tinham 16 famílias buscando pessoas desaparecidas após a explosão, mas destacou que ainda estão no processo de identificação dos corpos.

O diretor afirmou que até agora 14 corpos foram identificados e entregues aos parentes, e acrescentou que as famílias estão sendo auxiliadas para agilizar o processo de identificação.

Martínez disse que a explosão "foi causada por um vazamento", mas ainda se desconhece o motivo. O presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, visitou o local na quinta-feira para expressar solidariedade aos parentes das vítimas e saber de primeira mão os detalhes do ocorrido.

Acompanhe tudo sobre:América LatinaEmpresasEmpresas mexicanasEnergiaExplosõesIndústria do petróleoMéxicoMortesPemexPetróleo

Mais de Mundo

Em crise na aviação civil, Boeing manda astronautas ao espaço, que ficam presos em estação espacial

Fundador do Wikileaks: relembre oito fatos sobre o processo de Assange

Assange será um 'homem livre' após audiência em tribunal americano, afirma esposa

Quem é Julian Assange, fundador do Wikileaks que vai se declarar culpado nos EUA?

Mais na Exame