Mundo

Secretário-geral da ONU diz estar 'alarmado' com ataque à embaixada mexicana no Equador

Em comunicado, Antonio Guterres diz ser urgente que México e Equador mostrem moderação

António Guterres, secretário-geral da ONU (Eduardo Munoz Alvarez/VIEWpress/Getty Images)

António Guterres, secretário-geral da ONU (Eduardo Munoz Alvarez/VIEWpress/Getty Images)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 7 de abril de 2024 às 09h55.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres está “alarmado” com o ataque das forças de segurança equatorianas à embaixada mexicana em Quito para prender o ex-vice-presidente equatoriano, Jorge Glas, disse seu porta-voz no sábado.

Guterres enfatizou a importância de manter a inviolabilidade dos complexos diplomáticos, dizendo que deve ser respeitada "em todos os casos, de acordo com o direito internacional", disse o porta-voz, Stéphane Dujarric, em comunicado.

"O Secretário-Geral sublinha que as violações deste princípio põem em perigo a continuação das relações internacionais normais, que são fundamentais para o avanço da cooperação entre os Estados", acrescentou Dujarric.

O chefe das Nações Unidas diz ser urgente, tanto o Equador como o México, a mostrarem "moderação" e a "resolverem as suas diferenças por meios pacíficos", acrescentou o porta-voz.

Mais de uma dezena de governos latino-americanos denunciaram o ataque à embaixada mexicana em Quito pela polícia, descrito como “inadequado” pela OEA.

A operação, sem precedentes imediatos no mundo, levou o presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, a romper imediatamente as relações diplomáticas com o Equador. A Nicarágua imitou o ato neste sábado.

A operação culminou na detenção de Glas, procurado pela Justiça do seu país sob acusação de corrupção. Ele se refugiava naquela sede diplomática desde dezembro.

Acompanhe tudo sobre:Conselho de Segurança da ONUONUMéxicoEquador

Mais de Mundo

Como a IA pode afetar a eleição nos EUA?

Otan anuncia ‘muro de drones’ em sua fronteira com a Rússia após nova provocação de Moscou

Tratado para preparar o mundo para a próxima pandemia termina sem acordo

Onda de calor: México registra 48 mortes devido às altas temperaturas

Mais na Exame