Mundo

Secretário de Estado americano chega a Seul em meio a tensão

John Kerry, que realiza sua primeira visita à Coreia do Sul como chanceler, também viajará nos próximos dias à China e ao Japão

Secretário de Estado americano, John Kerry, chega ao aeroporto militar de Seongnam, na Coreia do Sul (REUTERS / Kim Hong-Ji)

Secretário de Estado americano, John Kerry, chega ao aeroporto militar de Seongnam, na Coreia do Sul (REUTERS / Kim Hong-Ji)

DR

Da Redação

Publicado em 12 de abril de 2013 às 07h06.

Seul - O secretário de Estado americano, John Kerry, chegou nesta sexta-feira a Seul para se reunir com as autoridades sul-coreanas, em um ambiente marcado pela tensão após contínuas ameaças de guerra e de um possível teste de mísseis por parte da Coreia do Norte.

Kerry, que realiza sua primeira visita à Coreia do Sul como chanceler, também viajará nos próximos dias à China e ao Japão em uma aparente tentativa de obter compromissos para pressionar Pyongyang a fim de abandonar suas hostilidades e garantir a estabilidade na península coreana.

O secretário de Estado americano abordará hoje com seu colega sul-coreano, Yun Byung-se, com quem já se reuniu em Washington no início do mês, a situação de crise atual na península coreana, e também manterá um breve encontro com a presidente do país, Park Geun-hye.

Espera-se que Kerry pressione a Coreia do Norte a abandonar suas hostilidades, enquanto tentará fazer com que a China, tradicional aliada de Pyongyang, exerça influência sobre seu parceiro comunista para acalmar a tensão.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, exigiu ontem à Coreia do Norte que ponha fim a sua "postura beligerante" e ressaltou que Washington está disposto a tomar "todas as medidas necessárias" para proteger o país e seus aliados na região.

A Coreia do Norte mantém desde o princípio de março uma prolongada e intensa campanha de ameaças contra Seul e Washington, cujos Exércitos se encontram em alerta elevado perante a possibilidade de um teste de mísseis do país comunista, que pode acontecer a qualquer momento, segundo fontes de inteligência.

Por outra parte, o secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, em Seul desde ontem, também se reuniu com o ministro das Relações Exteriores sul-coreano.

Yun e Rasmussen concordaram que os indícios indicam um iminente teste de mísseis norte-coreano e destacaram que o país comunista deve pôr fim a sua retórica belicista e suas ações provocadoras, informou a agência sul-coreana "Yonhap".

Acompanhe tudo sobre:ÁsiaCoreia do NorteCoreia do SulEstados Unidos (EUA)John KerryPaíses ricosPolíticos

Mais de Mundo

Legisladores democratas aumentam pressão para que Biden desista da reeleição

Entenda como seria o processo para substituir Joe Biden como candidato democrata

Chefe de campanha admite que Biden perdeu apoio, mas que continuará na disputa eleitoral

Biden anuncia que retomará seus eventos de campanha na próxima semana

Mais na Exame