Mundo

Rússia testa míssil hipersônico que supera escudo dos EUA

Chamado Kinzhal, novo míssil está à disposição do exército russo deste dezembro de 2017

Vladimir Putin (Alexei Nikolskyi/Reuters)

Vladimir Putin (Alexei Nikolskyi/Reuters)

E

EFE

Publicado em 11 de março de 2018 às 09h22.

Moscou, 11 mar (EFE).- A Rússia realizou com sucesso o lançamento do novo míssil hipersônico Kinzhal, capaz de superar o sistema antimísseis dos Estados Unidos.

"A tripulação de um caça Mig-31 efetuou o lançamento de um míssil hipersônico de alta precisão Kinzhal", informou neste domingo o Ministério da Defesa da Rússia em nota.

O Kinzhal ("adaga", em russo"), que tem um alcance de mais de 2 mil quilômetros e atinge velocidades dez vezes maiores do que o som, atingiu um alvo dentro de um polígono militar.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, apresentou o Kinzhal e outros novos armamentos do novo arsenal estratégico do país no início deste mês, durante um discurso sobre o estado da nação.

Na ocasião, Putin disse que o míssil único no mundo e que torna o sistema antimísseis americano inútil, uma informação que foi mais uma vez divulgada hoje pelo Ministério da Defesa.

"Não há análogos no mundo", disse a nota, que destacou que a trajetória de voo do míssil o torna indetectável nos radares.

Putin revelou que o Kinzhal, que pode carregar explosivos convencionais ou ogivas nucleares, está à disposição do Exército da Rússia desde dezembro do ano passado.

Em uma entrevista concedida à emissora americana "NBC" no último sábado, Putin voltou a culpar os EUA pela nova corrida armamentista, citando o fato de o ex-presidente George W. Bush ter abandonado unilateralmente em 2002 o Tratado de Mísseis Balísticos (ABM), assinado entre os dois países em 1972.

Acompanhe tudo sobre:Estados Unidos (EUA)RússiaVladimir Putin

Mais de Mundo

Ataque em zona humanitária em Rafah mata 45 pessoas, diz Hamas; Israel alega uso de munição precisa

O que é anomalia magnética que cresce no Brasil e por que preocupa o governo dos EUA

  Papua-Nova Guiné afirma que mais de 2.000 pessoas foram sepultadas em deslizamento de terra

Ataque aéreo de Israel a Rafah após novo ataque do Hamas deixa ao menos 35 mortos

Mais na Exame