Mundo

Responsável pelas plataformas petrolíferas nos EUA renuncia

Washington - Elizabeth Birnbaum, responsável pelo Serviço de Gestão de Minerais (MMS), a agência que supervisiona as explorações petrolíferas e de gás nos Estados Unidos renunciou hoje em meio ao pior desastre ecológico ocorrido no país por causa do vazamento no Golfo do México. Um relatório publicado esta semana revelou que os inspetores que deviam […]

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 27 de maio de 2010 às 16h46.

Washington - Elizabeth Birnbaum, responsável pelo Serviço de Gestão de Minerais (MMS), a agência que supervisiona as explorações petrolíferas e de gás nos Estados Unidos renunciou hoje em meio ao pior desastre ecológico ocorrido no país por causa do vazamento no Golfo do México.

Um relatório publicado esta semana revelou que os inspetores que deviam garantir a segurança das plataformas petrolíferas que operam no Golfo do México aceitavam convites para jantar, além de entradas para eventos esportivos e outros presentes de representantes do setor.

Ken Salazar, secretário do Departamento do Interior, que faz parte do MMS, disse hoje que Birnbaum renunciou por vontade própria.

Diferentes meios de comunicação, entre eles a rede de televisão "CNN", informaram que ela havia sido "despedida".

O Serviço Geológico de EUA, uma agência científica do Governo, disse hoje que o derrame do Golfo do México é o pior na história dos EUA e maior que o provocado pelo acidente do petroleiro Exxon Valdez no Alasca em 1989, que despejou mais de 40 milhões de litros de petróleo na região.

Segundo os cálculos do Serviço Geológico, o poço aberto no Golfo do México cuspiu entre 71 e 147 milhões de litros de petróleo no mar.

Acompanhe tudo sobre:EnergiaEstados Unidos (EUA)Países ricosPetróleoQuímica e petroquímica

Mais de Mundo

Mais de 10 mil migrantes cruzaram o Canal da Mancha desde o início do ano, um recorde

Israel tem a intenção de retomar negociações sobre Gaza esta semana, diz agência

Quatro anos após o assassinato de George Floyd, seu irmão ainda tem pesadelos

Em crise, Butão quer reerguer economia através da 'felicidade bruta'

Mais na Exame