Reino Unido reabre a economia nesta segunda

A partir desta segunda-feira, 17, os britânicos poderão fazer uma série de atividades coletivas até então proibidas por causa da pandemia

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

A partir desta segunda-feira, 17, os britânicos poderão fazer uma série de atividades coletivas até então proibidas por causa da pandemia.

Entre as autorizações dadas pelo governo do primeiro-ministro conservador Boris Johnson estão as viagens de cidadãos britâncos a países com contágios em queda pelo vírus. Nesta primeira fase da nova reabertura da economia, os destinos autorizados são, em grande maioria, países do bloco da União Europeia.

A partir de hoje, negócios como cinemas, museus e áreas de recreação para crianças podem reabrir. Até 30 pessoas de famílias diferentes poderão interagir entre si nesses espaços e o uso de máscara não é mais obrigatório nessas ocasiões.

Após meses de um lockdown rigoroso para fazer frente a uma das taxas de contágio pela covid-19 mais elevadas do mundo, o Reino Unido atualmente está com as taxas de infecção pela doença nos níveis mais baixos desde setembro do ano passado.

Com uma das campanhas de vacinação contra a covid-19 mais rápidas no mundo, o Reino Unido já imunizou 35 milhões de adultos com uma dose e 18 milhões com a dose completa. De acordo com dados do governo do Reino Unido, 25% da população adulta do país está 100% imunizada.

Tudo isso permitiu uma queda de 60% nas hospitalizações por causa da doença.

Essa fase de retomada da economia deve durar até 14 de junho. Lá, o Reino Unido tomará uma decisão sobre a continuidade ou não da fase final de flexibilização das restrições contra a Covid-19, disse o ministro da Saúde, Matt Hancock, neste domingo.

"Vamos tomar uma decisão final para a etapa quatro, que é o maior passo no roteiro, vamos tomar essa decisão final no dia 14 de junho", disse Hancock.

O último dos quatro estágios de liberação das restrições impostas no lockdown está programado para 21 de junho, mas esta data foi posta em dúvida devido à propagação de uma variante do coronavírus identificada pela primeira vez na Índia.

Enquanto isso, na França, a vacinação avança. O presidente francês Emmanuel Macron disse em uma postagem no Twitter neste sábado que 20 milhões de pessoas na França já receberam pelo menos uma dose da vacina contra Covid-19, enquanto o governo tenta intensificar sua campanha de vacinação.

O governo francês estabeleceu para si próprio uma meta de dar uma primeira dose a 20 milhões de pessoas até meados de maio, após um início lento de sua campanha há vários meses. Agora, foi aberto o programa de imunização para um número mais amplo de pessoas.

Assine a EXAME e acesse as notícias mais importante em tempo real.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também