Mundo

Professor da Columbia é o vencedor do Nobel de economia

Crítico das teorias sobre inflação e desemprego vigentes, o americano desenvolveu um modelo que ajudou a combater a inflação dos Estados Unidos na década de 80

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 12 de outubro de 2010 às 18h39.

O prêmio Nobel de economia de 2006 foi dado nesta segunda-feira (9/10) ao professor Edmund Phelps, da Universidade de Columbia, pelos seus trabalhos do final da década de 60, que derrubaram a crença anterior sobre a relação entre inflação e desemprego e ajudaram a domar a economia americana nos anos 80. Na época em que foram desenvolvidos seus estudos, acreditava-se que, mantendo altos índices de inflação era possível manter baixas taxas de desemprego com o estímulo da economia e juros baixos.

Essa relação foi representada graficamente por meio da curva de Phillips. Phelps tinha uma visão crítica sobre a natureza puramente estatística da teoria, já que, para ele, a inflação não dependia somente do desemprego, mas também da expectativa de empresas e empregados sobre o aumento dos preços e salários.

Seu modelo ficou conhecido como Curva de Phillips Neoclássica Monetarista e foi utilizado para controlar a inflação nos Estados Unidos no princípío da década de 80. Ainda hoje, avalia-se a expectativa do mercado antes de decidir por mudanças nas taxas de juros. "Phelps estava na lista de todos como um provável ganhador do Nobel", disse Robert Solow, um também vencedor do Nobel de economia. O economista vai receber um prêmio de 1,37 milhões de dólares.

É a segunda vez que a Real Academia de Ciências da Suécia premia um crítico das medidas macroecônomicas keynesianas do pós-guerra. Antes, já havia sido premiado o economista Milton Friedman, em 1976.

Acompanhe tudo sobre:[]

Mais de Mundo

Com margem estreita, Milei tenta aprovar pacote de reformas no Senado argentino

Às vésperas do G7, EUA anuncia mais sanções contra Rússia pela guerra na Ucrânia

Gorjetas no exterior: dicas para viajar sem estresse

Milei retira Aerolíneas e Correios de lista de privatizações para tentar aprovar Lei de Bases

Mais na Exame