Mundo

Premiê britânico promete reduzir cotas de imigração se vencer eleições

Tema é considerado chave para a campanha do pleito que está marcado para julho

O primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, convocou eleições legislativas para 4 de julho de 2024 (AFP/AFP)

O primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, convocou eleições legislativas para 4 de julho de 2024 (AFP/AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 4 de junho de 2024 às 08h10.

O Partido Conservador britânico anunciou nesta segunda-feira, 3, planos para cortar as cotas de vistos de trabalho e familiares concedidos anualmente, com o objetivo de reduzir a imigração, um tema-chave da campanha para as eleições de julho.

Segundo as pesquisas, os conservadores do primeiro-ministro Rishi Sunak partem em clara desvantagem frente aos trabalhistas de Keir Starmer, que apresentou no fim de semana sua própria estratégia frente à imigração.

A questão será levantada no debate televisivo programado para amanhã entre os dois principais candidatos das eleições de 4 de julho. Ambos os partidos consideram muito alto o número de imigrantes que chegam ao Reino Unido, mas divergem sobre como lidar com o problema.

No ano passado, o saldo migratório foi de 685 mil pessoas, menor do que em 2022, mas três vezes maior do que em 2019, quando os "tories", como são chamados os conservadores, venceram as eleições com a promessa de reduzir esse fluxo.

"Tomamos medidas ousadas para reduzir o número de pessoas que vêm para este país. O plano funciona, mas os níveis de migração ainda são muito altos, então vamos mais longe", disse Sunak, cujo governo introduziu neste ano novas regras para reduzir a imigração irregular e aprovou um plano polêmico contra os imigrantes clandestinos, que contempla o envio de solicitantes de asilo a Ruanda.

Segundo a estatística oficial, no ano fiscal encerrado em março de 2024 foram concedidos mais de 300 mil vistos de trabalho, mais do dobro do que quatro anos antes.

 

 

 

 

Acompanhe tudo sobre:Reino UnidoRishi Sunak

Mais de Mundo

Brasil é 3º país mais inseguro da América do Sul, diz Global Peace Index

Candidato à presidência denuncia 'prisão arbitrária' de assistentes na Venezuela

Pequeno município no leste da China desenvolve indústria panificadora bilionária

Após escândalo com PwC na China, KPMG e EY assumem auditorias no país

Mais na Exame