Mundo

Porta-voz de Navalny confirma morte do opositor: 'assassinado'

Apesar do anúncio na sexta-feira feito Serviço Penitenciário Federal russo sobre seu falecimento, time do ativista e principal crítico de Putin ainda não tinha ratificado a informação

"Alexei Navalny foi assassinado. Sua morte ocorreu no dia 16 de fevereiro, às 14h17, horário local, segundo mensagem oficial à mãe de Alexei.", diz porta-voz (Shamil Zhumatov/Reuters)

"Alexei Navalny foi assassinado. Sua morte ocorreu no dia 16 de fevereiro, às 14h17, horário local, segundo mensagem oficial à mãe de Alexei.", diz porta-voz (Shamil Zhumatov/Reuters)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 17 de fevereiro de 2024 às 09h34.

Última atualização em 17 de fevereiro de 2024 às 09h35.

A porta-voz de Alexei Navalny, Kira Yarmysh, confirmou neste sábado a morte do ativista, a partir de um comunicado formal feito à mãe dele, Liumila. O principal opositor do presidente Vladimir Putin, segundo anunciou o Serviço Penitenciário Federal russo na sexta-feira, "sentiu-se mal após uma caminhada, perdendo quase imediatamente a consciência”.

Seu falecimento, contudo, ainda não tinha sido confirmado por Yarmysh ou pelo seu círculo, embora a informação do órgão russo já tivesse bastado para provocar uma forte repercussão entre líderes e autoridades internacionais — muitos dos quais culparam diretamente o Kremlin. A China, por sua vez, afirmou neste sábado que se trata de um "assunto interno da Rússia" e, por isso, não iria comentar.

Em uma publicação no X (antigo Twitter), Yarmysh escreveu: "Alexei Navalny foi assassinado. Sua morte ocorreu no dia 16 de fevereiro, às 14h17, horário local, segundo mensagem oficial à mãe de Alexei." Ainda segundo a porta-voz, o corpo do ativista está na cidade de Salekhard, localizada no Ártico, e exigiu que fosse "entregue imediatamente à sua família".

Yarmysh, que faz parte da equipe de aliados de Navalny, disse ainda em outro post na rede social que a mãe e o advogado do ativista chegaram ao necrotério de Salekhard neste sábado, mas que o local está fechado, "apesar das garantias da colônia de que estaria funcionando e de que o corpo de Navalny está lá" e denunciou: "Eles não têm o corpo de Alexei no necrotério."

Liumila tinha chegado pela manhã à colônia penal no assentamento Kharp, disse a porta-voz numa declaração em vídeo, e que ela e o advogado tiveram que esperar duas horas até que um funcionário da prisão saísse para dizer que o corpo de Navalny tinha sido transferido para Salekhard. Advogados e grupos de direitos humanos disseram que o processo de recuperação do corpo do ativista pode levar alguns dias.

Yarmysh trabalha fora da Rússia e, assim como outros aliados do ativista, continuou realizando o trabalho do opositor após o seu envenenamento em 2020 e a sua subsequente prisão, publicando as suas declarações e organizando eventos políticos.

China: 'não farei comentários'

Navalny, um ativista anticorrupção e um dos principais adversários políticos do presidente Vladimir Putin, cumpre pena de 19 anos de prisão por "extremismo", devendo cumprir a pena em uma colônia de "regime especial". Ele foi detido em janeiro de 2021 ao retornar à Rússia, depois de se recuperar na Alemanha de um envenenamento que, segundo ele, foi planejado pelo Kremlin.

O anúncio da sua morte foi feito pelo Serviço Penitenciário Federal do país na sexta-feira e ocorre a um mês das eleições presidenciais russas, marcadas para março. Segundo a agência Interfax, os médicos passaram mais de meia hora tentando reanimá-lo, mas sem sucesso. O órgão afirmou que as causas da morte estão sendo investigadas, e a TV estatal russa afirmou que ele teve uma embolia.

A informação provocou uma forte repercussão entre os líderes e autoridades internacionais, com alguns líderes e autoridades culpando diretamente Putin pela morte. Entre eles está o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, que disse estar "indignado" com a notícia. "O que aconteceu a Navalny é mais uma prova da brutalidade de Putin. Ninguém se deve deixar enganar", afirmou o líder americano.

A União Europeia também culpou o Kremlin pela morte do ativista. O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, disse que o bloco "responsabiliza o regime russo por esta morte trágica" e que Navalny lutou pelos valores da liberdade e da democracia”, e que, “por seus ideais, ele fez o sacrifício supremo”.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, em guerra com a Rússia há quase dois anos, disse era "óbvio" para ele: "ele [Navalny] foi morto, como milhares de outros que foram torturados até a morte por causa desse único homem [Putin]."

A chancelaria chinesa, por sua vez, se recusou a comentar a morte do ativista, afirmando que se trata de um "assunto interno da Rússia". "É um assunto interno da Rússia. Não farei comentários", disse um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China em resposta à uma solicitação enviada pela AFP

Acompanhe tudo sobre:RússiaMortesOposição política

Mais de Mundo

“Davos in the Desert” arrives in Rio to search for opportunities between Brazil and Saudi Arabia

“Davos do deserto” chega ao Rio com foco nas oportunidades entre Brasil e Arábia Saudita

Eleições dos EUA terão semanas decisivas; entenda o que estará em jogo

Partido Conservador francês propõe aliança com extrema direita para eleições no Parlamento

Mais na Exame