Poeta é morto em Mianmar após detenção

Obras de Khet Thi declaravam resistência ao governo militar; "eles atiram na cabeça, mas não sabem que a revolução está no coração", dizia
Protestos contra governo militar de Mianmar realizado em Londres no começo deste mês (Matthew Chattle/Barcroft Media via/Getty Images)
Protestos contra governo militar de Mianmar realizado em Londres no começo deste mês (Matthew Chattle/Barcroft Media via/Getty Images)
R
Reuters

Publicado em 09/05/2021 às 15:24.

Última atualização em 09/05/2021 às 15:27.

O poeta de Mianmar Khet Thi, cujas obras declaram resistência à junta governante, morreu na prisão durante a noite e seu corpo foi devolvido com os órgãos removidos, disse sua família neste domingo.

Um porta-voz da junta não respondeu a chamadas para pedir comentários sobre a morte de Khet Thi, que havia escrito a frase "Eles atiram na cabeça, mas não sabem que a revolução está no coração". Sua página no Facebook dizia que ele tinha 45 anos.

A esposa de Khet Thi disse que os dois foram levados para interrogatório no sábado por soldados armados e policiais na cidade central de Shwebo, na região de Sagaing - um centro de resistência ao golpe no qual a líder eleita Aung San Suu Kyi foi deposta.

"Fui interrogada. Ele também. Disseram que ele estava no centro de interrogatório. Mas ele não voltou, apenas o corpo", disse, em lágrimas, sua esposa Chaw Su à BBC.

"Eles me ligaram de manhã e me disseram para encontrá-lo no hospital em Monywa. Eu pensei que era só por um braço quebrado ou algo assim... Mas quando eu cheguei aqui, ele estava no necrotério e seus órgãos internos foram retirados", disse ela.

Ela foi informada no hospital que ele tinha um problema cardíaco, mas não se preocupou em ler o atestado de óbito porque tinha certeza de que não seria verdade, disse Chaw Su. A Reuters não conseguiu entrar em contato com o hospital para comentar.