Acompanhe:

Grupo cria asfalto poroso para reduzir enchentes

Pavimento desenvolvido na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo retém até 100% da água da chuva

Modo escuro

Continua após a publicidade
Pavimentação comum impede absorção da água da chuva e aumenta probabilidade de enchentes (.)

Pavimentação comum impede absorção da água da chuva e aumenta probabilidade de enchentes (.)

T
Talita Abrantes

Publicado em 10 de outubro de 2010 às, 03h37.

São Paulo - Um grupo de pesquisadores da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo está desenvolvendo pavimentos impermeáveis capazes de reter água da chuva. A expectativa é de que, no futuro, o produto ajude a reduzir os riscos de enchentes como as que mudaram a rotina da região metropolitana do Rio de Janeiro na semana passada.

De acordo com José Rodolfo Scarati Martins, coordenador da equipe, o novo pavimento é capaz de reter a água da chuva por um período cinco vezes maior que o produto convencional. "A urbanização não deixa a água penetrar no solo. Por isso, quando chove, a água escoa pela pavimentação e segue para o ponto mais baixo das cidades. Com o excesso em um espaço pequeno, surgem as enchentes", afirma.

Os pavimentos porosos, ao contrário, estão sendo desenvolvidos exatamente para mimetizar o cenário de absorção da água em condições naturais. Para isso, o grupo desenvolveu dois tipos de cobertura - um produzido com placas de concreto e outro à base de asfalto comum. Nos dois casos o produto é composto por três camadas. Em um deles, a primeira é formada por uma mistura de asfalto e outros aditivos, que permite a passagem da chuva para as camadas inferiores.

A água fica retida, então, no segundo estrato do pavimento, formado por 35 centímetros de pedra. Cerca de 40% do volume desta base é composta por espaços para armazenagem da água,  que, depois, escoa lentamente por dutos de drenagem ligados ao sistema urbano de galerias pluviais. Para separar o pavimento do solo, a equipe criou uma manta plástica de meio milímetro de espessura.

Por enquanto, estes pavimentos foram projetados apenas para vias de tráfego leve -  localizadas em vilas residenciais ou estacionamentos. A proposta é adaptar o projeto para ruas onde o tráfego é mais intenso. "O que define a capacidade do pavimento é a base. É provável que, para isso, seja necessário utilizar pedras com diâmetro maior na segunda camada", afirma o professor.

 O custo da cobertura porosa, contudo, ainda é 20% maior que a daquela utilizada nas cidades brasileiras. Mas este valor pode ser reduzido com a produção em larga escala."Vale lembrar também da economia com os danos das inundações que este produto pode trazer", diz.

A primeira fase do projeto termina no fim de 2010. Mas, de acordo com o pesquisador, a Prefeitura do Município de São Paulo, parceira da pesquisa, pretende implementar o pavimento poroso em projetos-piloto antes deste prazo. Além de avaliar as condições de desenvolvimento da cobertura, o projeto também deve estabelecer um regulamento para utilização do novo produto.
 

Últimas Notícias

Ver mais
Vulcão entra em erupção em ilha desabitada de Galápagos
Mundo

Vulcão entra em erupção em ilha desabitada de Galápagos

Há um dia

Clube CHRO: Qual será o maior desafio do Brasil nos próximos anos?
seloCarreira

Clube CHRO: Qual será o maior desafio do Brasil nos próximos anos?

Há 2 dias

Desabamento de mina deixa ao menos 25 mortos na Venezuela
Mundo

Desabamento de mina deixa ao menos 25 mortos na Venezuela

Há uma semana

“A minha carreira começou na infância”, diz Tarcísio Zanon, carnavalesco da Viradouro, campeã do Rio
seloCarreira

“A minha carreira começou na infância”, diz Tarcísio Zanon, carnavalesco da Viradouro, campeã do Rio

Há 2 semanas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais