Mundo

Patrimônio de Mandela é calculado em US$ 4,1 milhões

Patrimônio do ex-presidente sul-africano Nelson Mandela foi avaliado provisoriamente em 46 milhões de rands (4,1 milhões de dólares)

Nelson Mandela: Mandela legou principalmente seu patrimônio às escolas onde estudou e ao Congresso Nacional Africano (Alexander Joe/AFP)

Nelson Mandela: Mandela legou principalmente seu patrimônio às escolas onde estudou e ao Congresso Nacional Africano (Alexander Joe/AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 3 de fevereiro de 2014 às 10h28.

Johanesburgo - O patrimônio do ex-presidente sul-africano Nelson Mandela foi avaliado provisoriamente em 46 milhões de rands (4,1 milhões de dólares), informou nesta segunda-feira à imprensa um de seus testamenteiros, o juiz Dikgang Moseneke.

Moneseke disse que foi realizado um inventário provisório que "reflete um valor provisório de 46 milhões de rands" durante a leitura pública do testamento.

Mandela legou principalmente seu patrimônio às escolas onde estudou e ao Congresso Nacional Africano (ANC), seu partido.

Suas três propriedades foram legadas à fundação familiar "Nelson Rohlilala Mandela Family Trust", entre elas a casa na qual está enterrado em Qunu, no sul da África do Sul, e a de Johannesburgo, onde recebeu cuidados médicos no bairro abastado de Houghton.

"Meu desejo é que sirva também de local de reunião da família Mandela para manter sua unidade muito tempo depois de minha morte", escreveu em seus últimos desejos.

A família Mandela mostrou publicamente suas divisões nos últimos anos, especialmente entre seu neto Mandla, primeiro herdeiro homem, segundo o costume xhosa, e sua filha mais velha, Makaziwe.

Nelson Mandela, falecido no dia 5 de dezembro e enterrado dez dias depois em sua aldeia natal, tem mais de 30 filhos, netos e bisnetos de seus dois primeiros casamentos.

Também incluiu em seu testamento os filhos de sua viúva Graça Machel, com quem se casou aos 80 anos.

"A leitura de um testamento sempre é para as famílias uma ocasião repleta de emoções porque faz ressurgir muitas coisas, mas foi bom. O testamento foi lido, página por página. Isso levou mais tempo que o previsto. Foram pedidos alguns esclarecimentos", afirmou o juiz Moseneka.

"Praticamente toda a família Mandela e seus descendentes estiveram presentes, o que nos alegrou", acrescentou.

No testamento, redigido em 2004 quando tinha 86 anos e posteriormente emendado, Mandela teve palavras pessoais para a maioria de seus herdeiros, segundo o juiz.

*Atualizada às 11h27 do dia 03/02/2014

Acompanhe tudo sobre:ÁfricaÁfrica do SulNelson Mandelapatrimonio-pessoalPolíticos

Mais de Mundo

Para aumentar inovação, Xangai emite regulamento para gestão de projetos de tecnologias disruptivas

Aprovação de Lei de Bases marca nova fase de Milei, diz analista argentino

Irã está expandindo suas capacidades nucleares, diz agência de energia atômica da ONU

Inflação na Argentina cai pela metade e atinge 4,2% em maio

Mais na Exame