Acompanhe:

Partidos dinásticos do Paquistão fecham acordo para dividir poder

Sob o acordo, o líder do PML-N, Sharif, assumirá como primeiro-ministro enquanto Asif Ali Zardari, marido da ex-primeira-ministra assassinada Benazir Bhutto, será o presidente

Modo escuro

Continua após a publicidade
A Assembleia Nacional deverá se reunir pela primeira vez em 29 de fevereiro, quando será formalizada a coalizão (Shahid ALI/AFP)

A Assembleia Nacional deverá se reunir pela primeira vez em 29 de fevereiro, quando será formalizada a coalizão (Shahid ALI/AFP)

Os dois partidos dinásticos do Paquistão anunciaram um acordo para compartilhar o poder que permitirá ao ex-governante Shehbaz Sharif assumir como primeiro-ministro, após as últimas eleições em que não houve um claro ganhador.

A Liga Muçulmana do Paquistão (PML-N), apoiada pelos militares, e o Partido do Povo Paquistanês (PPP) anunciaram na noite desta terça-feira, 20, que haviam concluído uma negociação para formar um governo de coalizão que incluirá diversos partidos menores.

Os candidatos leais ao ex-primeiro-ministro Imran Khan, que está preso, obtiveram mais cadeiras, mas foram obrigados a concorrer como independentes por causa da inabilitação de seu partido.

Novos cargos, novas pessoas

Sob o acordo, o líder do PML-N, Sharif, assumirá como primeiro-ministro enquanto Asif Ali Zardari, marido da ex-primeira-ministra assassinada Benazir Bhutto, será o presidente.

Os dois partidos "alcançaram os números e formaremos governo", indicou o presidente do PPP, Bilawal Bhutto Zardari, filho de Zardari e Bhutto, em uma coletiva de imprensa tarde da noite desta terça-feira.

Sharif acrescentou que, "depois de 76 anos, ainda dependemos de empréstimos e superar esta situação é mais fácil falar do que fazer. Enfrentamos desafios importantes".

A Assembleia Nacional deverá se reunir pela primeira vez em 29 de fevereiro, quando será formalizada a coalizão.

Fraudes nas eleições

A eleição se desenvolveu entre denúncias de fraude e manipulação de resultados, depois que as autoridades desconectaram a rede de telefonia móvel no dia das eleições, supostamente por motivos de segurança.

Os dois partidos se uniram em 2022 para depor o então primeiro-ministro Khan em uma moção de censura, antes de chegarem a um acordo para compartilhar o poder até a dissolução da Assembleia Nacional em agosto, antes das eleições.

Khan, um ex-astro de críquete, está preso desde agosto após ser condenado por corrupção, traição e matrimônio ilegal, acusações que, de acordo com seus correligionários, foram inventadas para evitar seu retorno ao poder.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Após janela partidária, PSDB fica sem vereador em 12 capitais; veja lista
Brasil

Após janela partidária, PSDB fica sem vereador em 12 capitais; veja lista

Há um dia

Aliados de Nunes dizem que filiação de Aldo Rebelo ao MDB dificulta sua indicação para vice
Brasil

Aliados de Nunes dizem que filiação de Aldo Rebelo ao MDB dificulta sua indicação para vice

Há 3 dias

Aldo Rebelo troca PDT por MDB e mira vice de Ricardo Nunes
Brasil

Aldo Rebelo troca PDT por MDB e mira vice de Ricardo Nunes

Há 3 dias

A seis meses das eleições, Lula quer liberação de recursos a prefeituras para obras
Brasil

A seis meses das eleições, Lula quer liberação de recursos a prefeituras para obras

Há 3 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais