Os 10 carros que mais (e menos) utilizam materiais tóxicos

Pesquisa da ONG americana Ecology Center mostra que o Mitsubishi Outlander tem o maior nível de materiais potencialmente nocivos à saúde; Honda Civic é o menos tóxico

O Mitsubishi Outlander amargou o última lugar, com níveis altos de bromo e cromo no interior (Getty Images)

O Mitsubishi Outlander amargou o última lugar, com níveis altos de bromo e cromo no interior (Getty Images)

Vanessa Barbosa

Vanessa Barbosa

Publicado em 1 de julho de 2012 às 00h42.

São Paulo – Na hora de comprar um carro, você geralmente procura informações sobre a potência do veículo, a eficiência no consumo de combustível, o conforto interno, facilidade na revenda, acessórios e outras características alardeadas em anúncios automotivos. Mas em algum momento, você já se perguntou sobre o quão "tóxico" pode ser o veículo?

Pensando nisso, o Ecology Center, uma organização não-governamental nos EUA, analisou mais de 200 modelos de veículos vendidos no mercado americano para identificar o tipo e o nível de materiais químicos utilizados na fabricação dos quatro-rodas que podem apresentar riscos potenciais à saúde.

O estudo usou um sistema de raio-x de fluorescência para identificar gases liberados por produtos químicos aplicados em certas peças do carro, como o volante, painel, assentos e portas. Até mesmo o tal "cheiro de carro novo” pode ter origem tóxica, segundo a análise.

Foram encontrados materiais como bromo associado a retardantes de chama (BFRs), presença de PVC (policloreto de vinila); chumbo e outros metais pesados. De acordo com a pesquisa, esses produtos químicos constituem uma fonte de poluição do ar interior, e podem causar uma variedade de problemas de saúde no longo prazo, considerando que uma pessoa comum passa em média 90 minutos no carro diariamente.


“O interior dos veículos contêm um cocktail exclusivo de centenas de produtos químicos tóxicos que liberam gás num espaço pequeno e confinado", destaca em nota Jeff Gearhart, diretor de pesquisas do Ecoloy Center. Segundo Gearhart, quando os carros são expostos a temperaturas elevadas, como um dia quente de verão, a concentração de compostos orgânicos voláteis aumenta e pode dar origem a outras substâncias tóxicas.

De acordo com a pesquisa, o Honda Civic é o veículo que menos utiliza materiais potencialmente nocivos à saúde. Já o Mitsubishi Outlander amargou o último lugar da avaliação. Foram encontradas quantidades elevadas de bromo e cromo no interior do crossover. Confira na tabela abaixo a lista dos 10 carros mais e menos tóxicos, segundo o Ecology Center; a íntegra do estudo está disponível no site da ONG.

Os 10 menos tóxicos Os 10 mais tóxicos
1 – Honda Civic 1 – Mitsubishi Outlander
2 - Toyota Prius 2 – Chrysler 200 SC
3 - Honda CR-Z 3 – Kia Soul
4 - Nissan Cube 4 – Nissan Versa
5 – Acura RDX 5 – Mazda CX-7
6 – Acura ZDX 6 – Hyundai Accent
7 – Audi S5 7 – Chevrolet Aveo5
8 – smart Coupé 8 – Kia Sportage
9 – Toyota Venza 9 – Volkswagen Eos
10 – smart Passion 10 – MINI Clubman S

Mais de Mundo

Ordem judicial retira da oposição venezuelana o controle de um de seus maiores partidos

Equador captura líder criminoso foragido que ameaçou procuradora-geral

Polônia indica que poderia abrigar armas nucleares de outros membros da Otan para conter Rússia

Após prisões em Columbia, protestos contra a guerra em Gaza se espalham por universidades dos EUA

Mais na Exame