Mundo

ONU prorroga investigação sobre crimes de guerra no Iêmen

Cerca de 10 mil pessoas foram mortas na guerra e 56 mil foram feridas desde março de 2015, quando a Arábia Saudita e seus aliados entraram no conflito

Iêmen: os especialistas afirmaram que os bombardeios da coalizão liderada pela Arábia Saudita provocaram o maior número de vítimas civis diretas (Andrew Renneisen/Getty Images)

Iêmen: os especialistas afirmaram que os bombardeios da coalizão liderada pela Arábia Saudita provocaram o maior número de vítimas civis diretas (Andrew Renneisen/Getty Images)

A

AFP

Publicado em 28 de setembro de 2018 às 11h22.

O Conselho de Direitos Humanos da ONU aprovou nesta sexta-feira uma resolução permitindo prorrogar por um ano a investigação sobre as acusações de crimes de guerra no Iêmen, apesar da oposição da Arábia Saudita.

A resolução, proposta pela Bélgica, Canadá, Irlanda, Luxemburgo e Holanda e apoiada pela União Europeia, foi adotada por 21 dos 47 Estados atualmente no Conselho. Oito votaram contra e 18 se abstiveram.

Em seu relatório publicado no final de agosto, e que abarca o período de setembro de 2014 - data do início das hostilidades no Iêmen - até junho de 2018, os especialistas concluíram que todas as partes envolvidas no conflito potencialmente cometeram "crimes de guerra".

O grupo de especialistas, presidido pelo tunisiano Kamel Jendoubi, destacou que os bombardeios da coalizão liderada pela Arábia Saudita "provocaram o maior número de vítimas civis diretas", ao visar "áreas residenciais", "mercados" e "até mesmo instalações médicas".

Este grupo de especialistas foi criado há um ano pelo Conselho, graças ao apoio dos países árabes.

Mas a Arábia Saudita e seus aliados rejeitaram desta vez a resolução e pediram que o texto fosse votado.

Desde março de 2015, quando a Arábia Saudita e seus aliados entraram no conflito, cerca de 10.000 pessoas foram mortas na guerra, a maioria civis, e 56.000 foram feridas.

Segundo a ONU, três em cada quatro iemenitas precisam de ajuda, especialmente alimentar, e o país vive sob a ameaça de uma terceira onda de cólera.

A guerra no Iêmen enfrenta as forças pró-governo, apoiadas pelos sauditas e emiradenses e os rebeldes huthis, apoiados pelo Irã, que controlam vastos territórios, incluindo a capital Sanaa.

Acompanhe tudo sobre:Arábia SauditaGuerrasIêmenONU

Mais de Mundo

Quatro anos após o assassinato de George Floyd, seu irmão ainda tem pesadelos

Em crise, Butão quer reerguer economia através da 'felicidade bruta'

Como a IA pode afetar a eleição nos EUA?

Otan anuncia ‘muro de drones’ em sua fronteira com a Rússia após nova provocação de Moscou

Mais na Exame