Acompanhe:

ONU lamenta que América Latina fique sem mulheres presidentes

ONU Mulheres lamentou que região vá ficar sem mulheres presidentes, já que a única chefe de Estado, a chilena Michelle Bachelet, deixará poder no domingo

Modo escuro

Continua após a publicidade
Michelle Bachelet: No próximo dia 11 de março, ela cederá a presidência do Chile pela segunda vez na história ao conservador Sebastián Piñera (Rodrigo Garrido/Reuters)

Michelle Bachelet: No próximo dia 11 de março, ela cederá a presidência do Chile pela segunda vez na história ao conservador Sebastián Piñera (Rodrigo Garrido/Reuters)

E
EFE

Publicado em 7 de março de 2018 às, 18h31.

Cidade do Panamá - A ONU Mulheres lamentou nesta quarta-feira que América Latina vá ficar sem mulheres presidentes nos próximos meses, já que a única chefe de Estado que resta atualmente na região, a chilena Michelle Bachelet, deixará o poder no próximo domingo.

"Tivemos um momento na região com quatro mulheres presidentes e nesta semana vamos perder a última delas", disse à Agência Efe a diretora regional adjunta da ONU Mulheres para Américas e Caribe, Lara Blanco, em um evento do organismo na Cidade do Panamá.

No próximo dia 11 de março Bachelet cederá a presidência do Chile pela segunda vez na história ao conservador Sebastián Piñera, que governará o país até 2022.

Blanco lembrou que nos últimos anos sempre houve pelo menos uma mulher dirigindo um país latino-americano e que Bachelet coincidiu durante seus dois mandatos (2006-2010 e 2014-2018) com as ex-presidentes Laura Chinchilla (Costa Rica), Cristina Kirchner (Argentina) e Dilma Rousseff.

"É importante assinalar também quanta violência política se exerceu sobre estas mulheres que exerceram cargos públicos e lideraram países. O escrutínio para as mulheres é maior e usualmente temos que pagar preços mais altos", denunciou a diretora regional da ONU Mulheres.

Blanco reconheceu que a saída da última presidenta é um revés, mas que isso não significa que a liderança feminina esteja com os dias contados na região porque "cada vez há mais mulheres participando da política".

"As mulheres voltaremos a dirigir nossos países", garantiu a representante da ONU Mulheres após participar de um fórum sobre igualdade organizada pelo organismo internacional e o banco colombiano Banistmo.

"Estamos em um momento de muitos paradoxos. Enquanto, por um lado, aumentou a participação política das mulheres na nossa região, por outro lado também encontramos narrativas muito conservadoras e maiores resistências porque há muitos homens que têm muitos privilégios a perder", concluiu na capital panamenha a diretora regional adjunta da ONU Mulheres.

Últimas Notícias

Ver mais
Crise no Haiti: ONU diz que quase 100 mil pessoas fugiram de Porto Príncipe por violência de gangues
Mundo

Crise no Haiti: ONU diz que quase 100 mil pessoas fugiram de Porto Príncipe por violência de gangues

Há 21 horas

Brasil vai colher frutos por liderar regulação de cripto na América Latina, diz executiva da Ripple
Future of Money

Brasil vai colher frutos por liderar regulação de cripto na América Latina, diz executiva da Ripple

Há 22 horas

Oceanos mais quentes levantam dúvida: subestimamos as mudanças climáticas?
ESG

Oceanos mais quentes levantam dúvida: subestimamos as mudanças climáticas?

Há um dia

México pede ao Tribunal de Haia que Equador seja suspenso da ONU
Mundo

México pede ao Tribunal de Haia que Equador seja suspenso da ONU

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais